STF vai julgar nova denúncia contra Cunha no dia 22

Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar na quarta-feira, 22 de junho, a segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ); informação é da agência Reuters; Cunha é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas ao irrigar contas bancárias na Suíça com dinheiro desviado da Petrobras; caso o plenário aceite a nova denúncia contra Cunha, o parlamentar se tornará réu em duas ações no STF

Brasília- DF- Brasil- 27/08/2015- Presidente da Câmara, dep. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) concede entrevista. Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados
Brasília- DF- Brasil- 27/08/2015- Presidente da Câmara, dep. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) concede entrevista. Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Da Reuters) - O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar em 22 de junho a segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o deputado afastado e presidente suspenso da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta terça-feira uma fonte com conhecimento do andamento da ação.

Cunha já é réu em uma ação que corre no Supremo pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, acusado de receber ao menos 5 milhões de dólares em propina do esquema de corrupção na Petrobras investigado pela operação Lava Jato.

Caso o plenário aceite a nova denúncia contra Cunha, o parlamentar se tornará réu em duas ações no STF. O processo contra o deputado corre sob sigilo, mas a fonte confirmou que a análise do caso pelo plenário da corte entrou na pauta para o dia 22 de junho.

O ministro do Supremo Teori Zavascki, relator de todos os processos ligados à Lava Jato no tribunal, havia liberado na semana passada essa segunda denúncia contra Cunha para a análise do pleno.

Também na semana passada, a imprensa divulgou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a prisão de Cunha. O parlamentar já foi afastado do mandato e da presidência da Câmara em decisão do STF acolhendo os argumentos de Janot, que apontou que o peemedebista estava usando o cargo em benefício próprio.

Além das ações na Justiça, Cunha também é alvo de um processo no Conselho de Ética da Câmara que pede a cassação de seu mandato sob acusação de que ele teria mentido em depoimento à CPI da Petrobras no ano passado ao negar possuir contas bancárias no exterior.

Cunha nega quaisquer irregularidades.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247