Suspeitos da morte de Celso Daniel permanecerão soltos

STF tornou definitiva liminar concedida por Marco Aurlio Mello



O Supremo Tribunal Federal (STF) tornou definitiva a liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello para três acusados de envolvimento na morte de Celso Daniel, prefeito de Santo André (SP) assassinado em 2002. O julgamento favorável à liberdade de José Edison da Silva, Marcos Roberto Bispo dos Santos e Elcyd Oliveira Brito foi realizado hoje à tarde.

A liminar foi concedida em março de 2010, que levou em conta o fato de os acusados estarem presos desde 2002 sem que tenham sido levados a julgamento. Na ocasião, o ministro alegou excesso de prazo na formação da culpa e disse entender que nada justificava tamanha demora no julgamento. O ministro voltou a dizer hoje que em termos de delonga o caso é "emblemático".

O crime ocorreu em 2002, quando a vítima foi sequestrada na noite de 18 de janeiro por um grupo armado. O corpo, crivado de balas, foi encontrado dois dias depois em uma estrada de terra batida em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo.

O Ministério Público (MP) sustenta que houve motivação política na execução de Celso Daniel e denunciou oito suspeitos, apontando como mandante o empresário Sérgio Gomes da Silva, o "Sombra". Para a promotoria, o ex-prefeito foi morto porque teria tentado dar fim a suposto esquema de corrupção na prefeitura. A polícia, no entanto, concluiu que ele foi vítima de sequestradores comuns.

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247