Temer, que tinha sete ministérios de Dilma, reclama de herança

Presidente interino Michel Temer reclamou nesta sexta-feira, 24, da 'herança maldita' recebida do governo da presidente eleita Dilma Rousseff; "Recebi uma herança mais complicada do que eu imaginava", disse Temer em entrevista para os jornais Folha, Estadão, Globo, Valor e Correio Braziliense; o PMDB, partido presidido pelo interino, ocupou sete ministérios no governo Dilma, entre eles Saúde, Minas e Energia, Agricultura, Aviação Civil e Turismo, além de milhares de cargos comissionados; Temer defendeu redução na taxa de juros ainda neste ano e voltou a negar que tenha se encontrado com Sérgio Machado; "Eu não precisava da intermediação deste senhor, conheço muitos empresários, poderia pedir diretamente"; sobre a Lava Jato, disse que o País não pode ficar "dez anos nesta situação"

Presidente interino Michel Temer reclamou nesta sexta-feira, 24, da 'herança maldita' recebida do governo da presidente eleita Dilma Rousseff; "Recebi uma herança mais complicada do que eu imaginava", disse Temer em entrevista para os jornais Folha, Estadão, Globo, Valor e Correio Braziliense; o PMDB, partido presidido pelo interino, ocupou sete ministérios no governo Dilma, entre eles Saúde, Minas e Energia, Agricultura, Aviação Civil e Turismo, além de milhares de cargos comissionados; Temer defendeu redução na taxa de juros ainda neste ano e voltou a negar que tenha se encontrado com Sérgio Machado; "Eu não precisava da intermediação deste senhor, conheço muitos empresários, poderia pedir diretamente"; sobre a Lava Jato, disse que o País não pode ficar "dez anos nesta situação"
Presidente interino Michel Temer reclamou nesta sexta-feira, 24, da 'herança maldita' recebida do governo da presidente eleita Dilma Rousseff; "Recebi uma herança mais complicada do que eu imaginava", disse Temer em entrevista para os jornais Folha, Estadão, Globo, Valor e Correio Braziliense; o PMDB, partido presidido pelo interino, ocupou sete ministérios no governo Dilma, entre eles Saúde, Minas e Energia, Agricultura, Aviação Civil e Turismo, além de milhares de cargos comissionados; Temer defendeu redução na taxa de juros ainda neste ano e voltou a negar que tenha se encontrado com Sérgio Machado; "Eu não precisava da intermediação deste senhor, conheço muitos empresários, poderia pedir diretamente"; sobre a Lava Jato, disse que o País não pode ficar "dez anos nesta situação" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente interino Michel Temer reclamou nesta sexta-feira, 24, da 'herança maldita' recebida do governo da presidente eleita Dilma Rousseff. Temer deu entrevistas para vários jornais, brasileiros e estrangeiros. Falou de tudo um pouco. "Recebi uma herança mais complicada do que eu imaginava", disse Temer. Ele falou com os jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, Valor Econômico e Correio Braziliense.

O PMDB, partido presidido pelo interino, ocupou no governo Dilma Rousseff sete ministérios, entre eles o Saúde, Minas e Energia, Agricultura, Aviação Civil e Turismo, além de milhares de cargos comissionados.

Questionado sobre a crise econômica, Michel Temer defendeu a redução na taxa básica de juros ainda neste ano. "Eu espero que sim", disse. "Não [dá para] reduzir de 14,5% para 7% só para fazer populismo. Precisa diminuir responsavelmente", afirmou o presidente interino. A taxa hoje está em 14,25% ao ano.

Sobre até quando vai a Lava Jato, Temer disse que o País não pode ficar "dez anos nesta situação". "É claro que o país não pode ficar dez anos nesta situação, mas evidentemente que ela deve manter-se enquanto houver irregularidades", disse. Ele voltou a negar qualquer possibilidade de interferência do Executivo na operação.

Questionado sobre a reforma da Previdência, Temer voltou a defender a fixação de uma idade mínima para aposentadoria, mas disse que é favorável a uma pequena diferença de idade para obtenção do benefício entre homens e mulheres. "Isso eu acho razoável, ter uma diferença relativa, mas vamos definir isso ainda", lembrando que as mulheres costumam ter dupla jornada.

O presidente interino comentou ainda o fato de a presidente Dilma classificar seu afastamento de golpe. "Golpe é uma ruptura da Constituição", disse ele, acrescentando que o texto constitucional foi respeitado. Em seguida, ao comentar a defesa do PT de fazer uma nova eleição ainda neste ano para presidente, afirmou. "Fazer uma eleição agora é romper com a Constituição".

O presidente voltou a dizer que não se recorda de ter encontrado com Sérgio Machado, que disse em delação premiada ter se encontrado com Temer para tratar de um pagamento de propina , no valor de R$ 1,5 milhão para a campanha a prefeito de São Paulo de Gabriel Chalita. "Eu não precisava da intermediação deste senhor, conheço muitos empresários, poderia pedir diretamente."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247