Temer quer até 6 anos de licença sem salário para servidor federal

Diante do colapso das contas públicas e do fracasso de sua política econômica, Michel Temer segue desesperado para reduzir as contas do governo; agora, além do plano de demissão voluntária, o peemedebista quer que o servidores públicos federais fiquem de licença —sem receber salário— por até seis anos; Temer anunciou a criação de um programa de incentivo a essas licenças, que suspende temporariamente o vínculo dos servidores com a administração pública; proposta é que o servidor fique afastado por três anos consecutivos, prorrogáveis por outros três, e receba como incentivo o equivalente a três meses da remuneração

Brasília - O presidente Michel Temer, chega para sancionar a ratificação do Brasil ao Acordo de Paris, documento assinado pelos 195 países da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O presidente Michel Temer, chega para sancionar a ratificação do Brasil ao Acordo de Paris, documento assinado pelos 195 países da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O plano de demissão voluntária não é a única proposta de Michel Temer para se livrar dos servidores federais.

Desesperado com a situação dos cofres públicos —o que não o impediu de torras bilhões para comprar o apoio de parlamentares para barrar a denúncia da PGR na Câmara— o peemedebista vai lançar um programa de incentivo a licenças sem vencimentos. 

A proposta é que o servidor fique afastado por três anos consecutivos, prorrogáveis por outros três, e receba como incentivo o equivalente a três meses da remuneração.

O Ministério do Planejamento informou também que haverá limites para a quantidade máxima de servidores por órgão que poderá aderir ao programa.

"O objetivo dessa definição é preservar órgãos com escassez de pessoal. O Planejamento também definirá o quantitativo máximo de servidores que poderão aderir ao PDV por órgão."

Como a pasta já havia informado nesta segunda (24), o incentivo financeiro para adesão ao programa de demissão voluntária será correspondente a 125% da remuneração mensal do servidor na data de publicação, valor que será multiplicado pelo número de anos de exercício da função.

O Planejamento estima que 5.000 servidores podem aderir ao programa, ou 0,79% do total –atualmente, há 632,4 mil funcionários públicos federais na ativa.

As informações são de reportagem de Maeli Prado na Folha de S.Paulo

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247