"Temos de fazer a revolução que esse país precisa", diz Lula em ato de filiação de Ricardo Coutinho ao PT

O ex-presidente Lula destacou a importância da volta de Ricardo Coutinho e outros políticos do PSB da Paraíba ao PT no sentido de fortalecer a luta contra a fome e o desemprego promovidos pelo governo Jair Bolsonaro. “Podemos reconstruir esse país”, afirmou

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


247 - Em ato de filiação de Ricardo Coutinho, ex-governador da Paraíba e ex-prefeito de João Pessoa, e dos deputados Jeová Campos, Estela Bezerra, Cida Ramos e a ex-prefeita de Conde Márcia Lucena - todos saindo do PSB para ingressar no PT - o ex-presidente Lula defendeu a necessidade de realizar “a revolução que o Brasil precisa”.

Segundo o ex-presidente petista, a filiação destes políticos do PSB foi uma vitória da presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann, que foi fortemente elogiada por Lula. O ex-presidente destacou que, com a inclusão dos paraibanos ao seu partido, será preciso uma “peregrinação” pela Paraíba para conversar com o povo do estado.

Ele destacou que a bancada do PSB “está voltando para o seu ninho, de onde nunca deveria ter saído”, o que também foi reforçado por Gleisi, que lembrou que “é a volta de quem nunca nos deixou” e ‘nos ajudou na caminhada contra os ataques dos golpistas’.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além dos ex-pêessebistas, Lula e Gleisi, o evento, transmitido pela TV do PT no Youtube, também contou com a participação da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, entre outras figuras, como o músico Chico César.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma revolução para o povo

Lula destacou a importância do fortalecimento do PT e das forças democráticas para realizar “uma revolução social, democrática, em que os direitos humanos sejam a base central das nossas pessoas e dos nossos governos”, através de uma educação de qualidade promovida pelo Estado.

“Precisamos dizer para o povo que comer três vezes ao dia não é luxo, é uma necessidade orgânica. Que o povo tem o direito de fazer um churrasquinho [...] e de ter as coisas boas da vida”, destacou o ex-presidente, que defendeu ainda um amplo programa popular relacionado a moradia, salário, seguridade, direitos trabalhistas, férias e “não trabalhar apenas em aplicativos com trabalhos intermitentes”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O petista defendeu também um auxílio para pequenos produtores rurais, junto com tecnologia, para diminuir os custos da carne e do feijão, e de outros produtos atualmente muito afetados pela inflação.

Por isso, Lula destacou a necessidade de se encontrar com o povo. “Amanhã vou 5h30 da manhã para a porta de fábrica”, anunciou o ex-presidente, sem especificar o local. 

Ele ainda lembrou que sabe o que é o sofrimento do povo brasileiro, porque já vivenciou “morar em bairro que tem enchente”. “Eu sei o que é passar fome, ficar desempregado por dois anos e não ter emprego”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O petista não poupou críticas a Jair Bolsonaro, que “transformou o Brasil numa espécie de vergonha” e que fez campanha “contra a corrupção”, mas “transformou o combate à Covid-19 no maior centro de corrupção, tentando ganhar dinheiro às custas de vacina”.

Neste sentido, derrotando Bolsonaro, Lula destacou que “podemos reconstruir esse país”.

Críticas à 3ª via da Globo

O ex-presidente ainda criticou a política da imprensa que apoiou “o golpe na Dilma e, depois, um golpe nas eleições de 2018”, ressaltando que alguns meios de comunicação, como a Globo, estão promovendo um “vestibular” de pré-candidatos - com poucos votos - para lançar a chamada “terceira via”.

“Estamos vendo alguns canais de televisão que participaram do golpe, que não quiseram que o PT continuasse governado [...] estão fazendo vestibular para as eleições de 2022”, ressaltou. “Estão fazendo um ENEM para ver quem vai disputar as eleições”.

“Nunca fui convidado como pré-candidato”, lembrou Lula, argumentando que os golpistas “estão preocupados que possamos ganhar as eleições no 1º turno. Por isso, é preciso bater no Lula e no PT, porque pode acontecer algo que eles não querem que aconteça, que é a gente representando as forças democráticas deste país [...] e voltar a governar”.

Uma política voltada ao povo

Por sua vez, Ricardo Coutinho destacou que os governos do PT foram os que mais fizeram pelo Nordeste e reforçou a necessidade de fortalecer o partido e as alianças com quem for “verdadeiramente democrático” para “semear esperanças” diante do Brasil destruído por Bolsonaro.

“Nenhuma nação consegue viver sem acreditar que o dia de amanhã vai ser melhor que o dia de hoje. O Brasil hoje é isso, com o bolsonarismo. Perdeu a esperança. Só conjuga os termos mortes, desgraça, desemprego, fome. Só tem isso [...] Não é o Brasil do povo brasileiro”, disse.

Lembrando do paraibano Geraldo Vandré, autor da música “Pra não dizer que não falei das flores”, Coutinho destacou que é preciso “fazer a hora”, fortalecendo o PT. "Não podemos esperar acontecer, é o momento mais crítico da história republicana”, declarou.

Ele lembrou do golpe promovido pela direita, com a Lava Jato - através de Sergio Moro, “que nunca deveria ter sido juiz”, e os “procuradores que buscaram interferir na politica e destruir o tecido democratico” - e pediu para que Lula, ao ser eleito, colocasse novamente “o povo no centro da política”, e não o mercado financeiro ou as Bolsas de Valores.

“Lula é uma necessidade diante de um Brasil destruído", com a fome, a desindustrialização e “o negacionismo criminoso e, como vimos, lucrativo”, afirmou Coutinho, que nesse sentido também defendeu que as pessoas votem nos parlamentares petistas para formar uma grande bancada do PT e ajudar o ex-presidente a governar.

Derrotar Bolsonaro

Dilma e Gleisi, nesse sentido, destacaram a volta dos políticos do PSB ao PT como um processo importante para derrotar Bolsonaro. Para a ex-presidenta, Coutinho “está voltando ao partido que ajudou a organizar” e do qual “sempre esteve ao lado, sendo decisivo nos vários projetos de inclusão social e de infraestrutura”, para “mudar a história” contra o “governo neofascista e neoliberal” de Bolsonaro. 

Ela defendeu uma grande frente progressista e um programa de política social, pela redução das desigualdades, destacando que o governo de Coutinho na Paraíba foi um “exemplo” na inclusão social.

Por isso, Gleisi afirmou que “precisamos muito, mais do que nunca agora, estarmos firmes e fortes. O Brasil passa por um período muito difícil. Duas chagas que já havíamos nos livrado voltam para a população brasileira: a fome e a inflação”. “Nós, deste campo e deste partido, temos a responsabilidade com o povo brasileiro”, afirmou a presidenta do PT.

Assista na íntegra o ato de filiação:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email