UDN, legenda da ditadura militar, diz que está de "braços abertos" para receber o clã Bolsonaro

“Estamos de braços abertos para a família Bolsonaro”, disse o fundandor e presidente da UDN – reedição da antiga União Democrática Nacional da época da ditadura militar -, Marcus Alves que tem conversado com interlocutores do clã Bolsonaro

Clã Bolsonaro: Flávio, Jair, Eduardo e Carlos
Clã Bolsonaro: Flávio, Jair, Eduardo e Carlos (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após Jair Bolsonaro escancarar a sua disposção em sair do PSL, atacando o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar dizendo que "ele está queimado" e depois afirmar que o partido pode "queimar seu filme também", o fundandor e presidente da UDN –  reedição da antiga União Democrática Nacional da época da ditadura militar que está em fase final de criação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) -, Marcus Alves disse que a sigla está de portas aberta ao clã.

“Estamos de braços abertos para a família Bolsonaro”, disse Alves, que tem conversado com interlocutores do clã Bolsonaro desde fevereiro. Aliados da família contam que outra opção é o Patriotas, partido que chegou a negociar com Bolsonaro antes das eleições.

A UDN foi um partido braço político da ditura militar. Foi fundado em 1945, opositor às políticas e à figura de Getúlio Vargas e de orientação ultra-conservadora. O partido foi extinto pelos militares no período da ditadura, assim como todos os partidos políticos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247