Um pronunciamento para Dilma

Alcançadas as condições de trabalho e sobrevivência minimamente dignos, é hora de o Brasil alçar voos mais altos, rumo ao país que todos almejamos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Atenção para um pronunciamento para a Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Dilma Rousseff

—–

Minhas amigas e meus amigos,

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgou na semana passada que o Brasil tem hoje o menor nível de desigualdade da história documentada do país.  Em 2011, o índice de Gini, que mede a desigualdade de renda entre os brasileiros, foi de 0,527, o menor desde 1960.

Entre 2001 e 2011, no Brasil, houve crescimento real de 91,2% na renda dos 10% mais pobres. No caso dos 10% mais ricos, o aumento foi 16,6%. Segundo o Ipea, o aumento da renda na base da pirâmide relativiza o fraco desempenho do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado.

Comentar esse feito do Brasil ao longo da última década torna-se imperativo para prestar contas a você, cidadã ou cidadão, sobre que projeto de país o meu governo vem implantando. Um projeto em que todas as classes sociais estão ganhando, com aumento de renda e, consequentemente, de poder aquisitivo tanto para ricos quanto para pobres.

O Brasil promoveu justiça social, que é cada cidadão ter condição minimamente digna de vida, de não ter que se submeter à fome, ao desabrigo, a doenças há muito erradicadas no mundo desenvolvido, à ignorância, à violência, a condições a que qualquer um de nós ser submetido envergonha a todos, pois o próprio conceito de nação encerra o sentimento de solidariedade entre irmãos de sangue e cultura.

O Brasil de 2013, pois, é um país em que conseguir um emprego deixou de ser uma loteria como fora há mais de uma década, e no qual o salário já permite adquirir o básico para a dignidade, mas não só.  Para um contingente crescente de brasileiros, a renda do trabalho deu acesso a bens maiores e de todo tipo, inclusive culturais.

O país ainda não conseguiu, porém, melhorar consistentemente a qualidade dos seus serviços públicos. Além disso, as tensões sociais oriundas de ainda termos uma das piores distribuições de renda do mundo continua mantendo um nível de violência e criminalidade que poderia ser muito menor se o nosso Brasil fosse mais justo.

Nesse contexto, a queda da desigualdade anunciada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada sinaliza que caminhamos na direção correta. A melhora econômica que o Brasil experimentou ao longo da última década, quando o Produto Interno Bruto deu um salto, chegando hoje a quase 5 trilhões de reais, foi bem melhor distribuída entre os brasileiros.

Esses trilhões de reais que se somaram às riquezas que aqui se produz ano a ano não foram distribuídos como deveriam, mas foram distribuídos como nunca antes na história deste país se fez de maneira tão justa, por insuficiente que tenha sido.

O grande desafio do Brasil desta década, portanto, será fazer nos serviços públicos o que está se fazendo na construção de um patamar aceitável de justiça social, ou de uma distribuição de renda e de oportunidades que não empurre legiões de jovens para o crime ou para vidas improdutivas e, muitas vezes, com finais trágicos que oneram e até ameaçam a sociedade.

Este país, mostrando que é capaz de se tornar mais justo por decisão própria, seguramente será capaz de superar o desafio de tornar melhor a vida da coletividade por ação de melhores serviços públicos. Alcançadas as condições de trabalho e sobrevivência minimamente dignos, é hora de o Brasil alçar voos mais altos, rumo ao país que todos almejamos.

(…)

—–

Nota: é óbvio que o texto acima é uma ficção forjada pela esperança do blogueiro em seu país.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247