48% da população diz que o auxílio emergencial é de responsabilidade do Congresso e não de Bolsonaro, aponta pesquisa

Pesquisa da Quaest Consultoria aponta que 48% dos brasileiros afirmam que o Congresso é o maior responsável pelo auxílio emergencial, contra 40% dos que atribuem o benefício a Jair Bolsonaro. Para 66%, porém, a redução do valor de R$ 600 para R$ 300 é de responsabilidade de Bolsonaro

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e fila para saque do Auxílio Emergencial
Jair Bolsonaro e fila para saque do Auxílio Emergencial (Foto: PR | ABr)


247 - Uma pesquisa realizada pela Quaest Consultoria aponta que 48% dos brasileiros afirmam que o Congresso Nacional é o maior responsável pela concessão do auxílio emergencial durante a pandemia, contra 40% dos que atribuem o benefício a uma decisão de Jair Bolsonaro. A pesquisa aponta, ainda, que a 66% dos entrevistados avaliam que redução do valor de R$ 600 para R$ 300 é de responsabilidade de Bolsonaro. 

Outros 76% afirmam que o benefício deve continuar a ser pago até o final da pandemia do novo coronavírus. De acordo com reportagem da Coluna do Estadão, o cientista político e diretor da Quaest, Felipe Nunes, o estudo revela que o Congresso está conseguindo capitalizar a concessão do benefício. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pesquisa Quaest Consultoria  ouviu mil pessoas, entre os dias 21 e 24 de setembro, em 26 Estados e Distrito Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email