Advogado é acusado de abuso de autoridade e de intimidação contra família de empresária

A briga teve início após um desentendimento entre o filho da empresária e um enteado de Ferreira em Cuiabá

www.brasil247.com - Delegado Bruno França Ferreira em Cuiabá (MT)
Delegado Bruno França Ferreira em Cuiabá (MT) (Foto: Reprodução)


247 - O delegado Bruno França Ferreira, delegado da Polícia Civil em Mato Grosso Bruno, foi acusado de abuso de autoridade porque teria intimidado uma empresária e a família dela nessa segunda-feira (28) no condomínio Florais dos Lagos, em Cuiabá (MT). A briga teve início após um desentendimento entre o filho da empresária e um enteado de Ferreira no condomínio Alphaville 1. As duas famílias haviam tido outra confusão na Justiça. 

A denúncia foi apresentada no programa do Pop, da TV Cidade Verde. O delegado trabalha pela polícia no município de Sorriso (MT). As informações foram publicadas nesta terça pelo Folhamax.com

Advogado da vítima, Rodrigo Pouso foi xingado pelo delegado, que pediu desculpas. "Em nenhum momento tive a intenção de atingir as prerrogativas do doutor Rodrigo como advogado, e também que a situação da discussão se deu comigo na condição de padrasto da vítima. e não na condição de delegado. Isso não justifica e eu estou pedindo desculpa publicamente nessa situação de emoção que agi pela condição da vítima que é meu enteado", disse. 

A Corregedoria da Polícia Civil disse que investigará as denúncias. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247