Atirador de boate é absolvido por falta de provas

Uma das testemunhas não reconheceu o acusado como o culpado pelos disparos; crime aconteceu em março de 2007 e três pessoas foram atingidas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em sessão de julgamento que aconteceu nesta segunda-feira 14, no Tribunal do Júri de Ceilândia, o Conselho de Sentença votou pela absolvição de Manoel Araújo Rodrigues da acusação de tripla tentativa de homicídio. Em plenário, Ministério Público e defesa pediram a absolvição do réu diante da insuficiência de provas relativas à autoria dos fatos.

Após o crime, uma das vítimas o teria reconhecido na delegacia por foto e, em seguida, pessoalmente. No entanto, uma testemunha afirmou que a pessoa que proferira os disparos não era o réu do processo em curso. Diante disso, os jurados não reconheceram a imputação da autoria do crime a Manoel.

De acordo com a denúncia apresentada no início do processo, na noite de 11.03.2007, um homem teria atirado contra Júlio Cezar Lima, em frente à boate Madagascar, em Ceilândia. Ao atirar na porta do estabelecimento, teria atingido ainda uma moça e um rapaz. Júlio foi baleado na região abdominal, nas costas e na coxa.

Com informações do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247