Bancada do PT vai ao Supremo cobrar Lula Livre

"Nossa bancada veio ao @STF_oficial. Queremos assistir à Segunda Turma da Corte pautar e julgar o pedido da defesa do presidente @LulaOficial para a sua imediata libertação. Não é possível que ele siga preso injustamente por uma armação política já conhecida", disse o senador Humberto Costa pelo Twitter.

(Foto: Lula STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal deverá julgar na tarde desta terça-feira, 25, o pedido de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Deputados e senadores do PT foram ao STF para reforçar o pedido pela liberdade de Lula diante da parcialidade do ex-juiz Sérgio Moro, comprovada pelas revelações da Vaza Jato pelo The Intercept.

"Nossa bancada veio ao @STF_oficial. Queremos assistir à Segunda Turma da Corte pautar e julgar o pedido da defesa do presidente @LulaOficial para a sua imediata libertação. Não é possível que ele siga preso injustamente por uma armação política já conhecida", disse o senador Humberto Costa pelo Twitter.

A sessão está marcada para ocorrer  neste terça-feira (25), às 14 horas. Após  a repercussão negativa gerada após o STF sinalizar que adiaria a decisão somente para agosto, a Corte decidiu por julgar a questão hoje.

Fazem parte da segunda turma do STF o presidente da turma, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Gilmar Mende, Cármen Lúcia e Edson Fachin. 

Com esse quadro, há uma tendência de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski votarem a favor da liberdade de Lula, podendo ocorrer um empate. O voto decisivo será o de Celso de Mello. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247