Barroso levará ao plenário do STF decisão que afastou senador do dinheiro na cueca

Chico Rodrigues foi afastado de suas funções por 90 dias após decisão de Luís Roberto Barroso. No despacho, o ministro destacou que não haveria a obrigação de sua decisão ser submetida aos dos demais colegas, mas quer que o presidente do STF, Luiz Fux, paute o assunto o quanto antes

Luís Roberto Barroso e Chico Rodrigues
Luís Roberto Barroso e Chico Rodrigues (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso pediu nesta sexta-feira que o plenário da corte julgue a decisão que ele tomou na véspera de determinar o afastamento por 90 dias do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com dinheiro na cueca em operação realizada pela Polícia Federal que apura desvio de recursos para o enfrentamento da Covid-19.

No despacho, Barroso destacou que não haveria a obrigação de sua decisão ser submetida a uma confirmação dos demais colegas, mas quer que o presidente do Supremo, Luiz Fux, coloque o assunto na pauta do plenário o quanto antes.

“Apesar da ausência de obrigatoriedade de submissão da presente cautelar a referendo, dada a relevância institucional da matéria, requeiro a imediata inclusão deste processo na pauta do plenário”, afirmou.

O Senado ainda terá de decidir se mantém ou derruba a decisão do Supremo de afastar Chico Rodrigues. Ainda não houve uma manifestação formal dos senadores sobre o assunto.

Na prática, a decisão de Barroso de levar o caso ao plenário tem por objetivo conferir mais peso para a determinação do Supremo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247