Bolsonaro a ministro que o livrou de mostrar exame: 'amor à 1ª vista'

Durante a posse do ministro da Justiça, André Mendonça, Jair Bolsonaro disse que "simpatizou" com o presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha. "Eu confesso que a primeira vez que o vi foi um amor à primeira vista", disse Bolsonaro

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, recebe o presidente eleito Jair Bolsonaro.
O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, recebe o presidente eleito Jair Bolsonaro. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, suspendeu nesta sexta-feira, 8, a decisão do Tribunal Federal Regional da 3ª Região (TRF-3) que obrigava Jair Bolsonaro a apresentar exames para detecção de Covid-19.

No dia 29 de abril, durante a cerimônia de posse de André Mendonça como ministro da Justiça no lugar de Sérgio Moro, Bolsonaro descreveu a relação com o ministro Noronha como "amor à primeira vista" e disse que as conversas com o ministro ajudam a formar opinião sobre o Judiciário. 

"Prezado Noronha, permita-me fazer assim, presidente do STJ. Eu confesso que a primeira vez que o vi foi um amor à primeira vista. Me simpatizei com Vossa Excelência. Temos conversado com não muita persistência, mas as poucas conversas que temos o senhor ajuda a me moldar um pouco mais para as questões do Judiciário. Muito obrigado a Vossa Excelência", disse Bolsonaro. 

A ação pedindo a divulgação dos exames Bolsonaro foi movida pelo jornal O Estado de S. Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247