Bolsonaro sai às ruas e escuta: "vai trabalhar, vagabundo"

Durante saída na capital federal na noite deste sábado (23), Bolsonaro foi alvo de panelaços de manifestantes insatisfeitos com seu governo. "Vai trabalhar, vagabundo", ouve-se em vídeo divulgado pelo jornalista Lucas Rohan

"Via trabalhar, vagabundo": Jair Bolsonaro é alvo de protesto em Brasília
"Via trabalhar, vagabundo": Jair Bolsonaro é alvo de protesto em Brasília (Foto: Reprodução/Twitter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro foi alvo de protestos na noite deste sábado (23) um dia depois da divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, em que é acusado de interferir na Polícia Federal. 

Durante saída na capital federal, Bolsonaro foi alvo de panelaços de manifestantes insatisfeitos com seu governo. "Vai trabalhar, vagabundo", ouve-se em vídeo divulgado pelo jornalista Lucas Rohan.

Assista:

Na reunião ministerial de abril, Bolsonaro disse que tem um “sistema particular” de informações que funciona e criticou o sistema oficial ao dizer que “desinforma”. 

“O meu particular funciona. Os que têm oficialmente, desinformam. E voltando ao tema: ´Prefiro não ter informação do que ser desinformado por sistema de informações que eu tenho´”, disse Bolsonaro no encontro.

Depois da divulgação do vídeo, Bolsonaro disse que “uma farsa” foi desmontada, e reiterou que não tentou interferir no comando da PF. “Nenhum indício de interferência na Polícia Federal”, afirmou.

“Cadê a parte do vídeo onde falo em superintendente ou diretor-geral da Polícia Federal? Eu falo da minha segurança pessoal”, acrescentou.

Questionado em entrevista sobre o “sistema particular” de informação que afirmou ter, Bolsonaro disse que obtém as informações por meio de uma série de contatos particulares, e criticou, assim como no vídeo, a inteligências das forças oficiais.

“É essa informação que eu tenho, pessoal meu, que eu descubro muitas coisas que, lamentavelmente, não descubro via as inteligências oficiais, que é da PF, da Marinha, Aeronáutica e Exército e Abin, é isso aí”, afirmou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247