Bolsonaro pede a Celso de Mello que reconsidere ordem de entrega de vídeo citado por Moro

AGU alega “assuntos sensíveis de Estado” para não entregar o vídeo da reunião ministerial em que Jair Bolsonaro teria ameaçado demitir o então ministro da Justiça caso ele não permitisse interferência do Executivo na PF. O vídeo está em poder do chefe da Secom, Fábio Wajngarten

Jair Bolsonaro, Sergio Moro e Celso de Mello
Jair Bolsonaro, Sergio Moro e Celso de Mello (Foto: Agência Brasil | STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Advocacia Geral da União (AGU) pediu ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que reconsidere a ordem de entrega da gravação da reunião ministerial de Jair Bolsonaro com Sergio Moro em 22 de abril. 

O decano do STF havia dado 72 horas para que o Executivo apresentasse as imagens, que seriam a prova de que Boslonaro teria interferido no comando da Polícia Federal, conforme denunciado por Moro ao pedir demissão do Ministério da Justiça.

Para justificar o pedido, a defesa do governo federal alegou que o encontro tratou de “assuntos potencialmente sensíveis do Estado”, informa reportagem do Estado de S.Paulo.

O chefe da assessoria especial da Presidência, Célio Faria Júnior, negou ter apagado a gravação, conforme noticiado pelo site O Antagonista, e disse que as imagens estão com o chefe da Secretaria Especial de Comunicação, a Secom, Fábio Wajngarten, segundo reportagem do Estado de S.Paulo.

O ex-ministro Sérgio Moro ironizou a postura de Jair Bolsonaro, divulgando o seu pedido ao ministro Celso de Mello. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247