Caesb começa testes na obra para captar água do Paranoá na próxima semana

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, afirmou que, no fim da próxima semana, a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) vai começar a fazer os primeiros testes na obra emergencial de captação de água do Lago Parano; "Vamos ver se não tem vazamento, checar reaperto, ver se a estrutura está estanque, avaliar o funcionamento dos equipamentos, por exemplo", disse Luduvice; a estrutura vai sair por R$ 42 milhões aos cofres públicos

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, afirmou que, no fim da próxima semana, a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) vai começar a fazer os primeiros testes na obra emergencial de captação de água do Lago Parano; "Vamos ver se não tem vazamento, checar reaperto, ver se a estrutura está estanque, avaliar o funcionamento dos equipamentos, por exemplo", disse Luduvice; a estrutura vai sair por R$ 42 milhões aos cofres públicos
O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, afirmou que, no fim da próxima semana, a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) vai começar a fazer os primeiros testes na obra emergencial de captação de água do Lago Parano; "Vamos ver se não tem vazamento, checar reaperto, ver se a estrutura está estanque, avaliar o funcionamento dos equipamentos, por exemplo", disse Luduvice; a estrutura vai sair por R$ 42 milhões aos cofres públicos (Foto: Leonardo Lucena)

Brasília 247 - O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, afirmou nesta segunda-feira (11) que, no fim da próxima semana, a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) vai começar a fazer os primeiros testes na obra emergencial de captação de água do Lago Paranoá. "Vamos ver se não tem vazamento, checar reaperto, ver se a estrutura está estanque, avaliar o funcionamento dos equipamentos, por exemplo", disse Luduvice ao G1. A estrutura vai sair por R$ 42 milhões aos cofres públicos.

De acordo com o dirigente, as obras estão em dia, com 80% concluídos. Quando o sistema começar a funcionar, deve retirar 700 litros do Lago Paranoá por segundo para reforçar inicialmente o abastecimento das regiões que atualmente recebem água do sistema Santa Maria/Torto.

Ele ressaltou que, se os testes indicarem algo fora do padrão, a empresa responsável pelas obras terá de fazer os consertos, sem custo adicional para o governo.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247