Câmara aprova urgência em votar privatização dos Correios e projeto que substitui a LSN

A Câmara dos Deputados avançou no projeto do governo Jair Bolsonaro para privatizar os Correios definindo urgência na votação da proposta. Também foi aprovada urgência para modificar a Lei de Segurança Nacional

www.brasil247.com - Funcionário trabalha na sede dos Correios no Rio de Janeiro
Funcionário trabalha na sede dos Correios no Rio de Janeiro (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)


247 - A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira, 20, urgência para votar o projeto de privatização dos Correios, uma das maiores empresas estatais do Brasil. O projeto de lei também cria um novo marco postal.

A urgência torna a proposta prioritária na fila de votação de projetos da Casa e permite que ela possa ser pautada no plenário a qualquer momento. 

O projeto de privatização dos Correios foi entregue por Jair Bolsonaro ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP), no dia 24 de fevereiro. Na semana passada, o governo federal incluiu a empresa no Plano Nacional de Desestatização (PND) por decreto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimento (PPI) do Ministério da Economia, Martha Seillier, afirmou, todavia, que o governo Bolsonaro ainda não decidiu se vai se desfazer de 100% das ações ou se manterá participação minoritária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mudança na Lei de Segurança Nacional

A Câmara também aprovou urgência na modificação da Lei de Segurança Nacional, criada durante a ditadura militar brasileira para reprimir quem atacasse integrantes dos Poderes da República.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Projeto de Lei define o que será definido crime contra o Estado Democrático de Direito, como atentados, sequestros de autoridades, tentativas de golpe de Estado, atentado à soberania e outros - substituindo a Lei de Segurança Nacional.​

A proposta está em tramitação na Câmara desde 2002. O texto foi apresentado pelo então ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso e um dos líderes do golpe contra Dilma Rousseff em 2016, Miguel Reale Júnior. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O intuito é “abandonar em definitivo, a referência a segurança nacional, empregando-se a terminologia consagrada pelo próprio texto constitucional”.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email