Candidata negra é rejeitada em cota de concurso por ser "bonita"

Para o desembargador Teófilo Caetano, do TJDF, a economista Rebeca da Silva Mello foi eliminada do certame porque a banca examinadora considerou que ela não sofreu discriminação por ser "bonita"

Rebeca da Silva Mello
Rebeca da Silva Mello (Foto: Arquivo pessoal)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247- O Tribunal de Justiça do Distrito Federal determinou que uma candidata negra, excluída do sistema de cotas de um concurso do Ministério Público, seja readmitida imediatamente no processo para o qual foi aprovada em 2018.

Segundo reportagem do portal UOL, no entendimento do desembargador Teófilo Caetano, a economista Rebeca da Silva Mello foi eliminada do processo pois a banca examinadora considerou que ela não sofreu discriminação por ser "bonita" e não ter características físicas associadas pessoas negras, como "cabelo crespo, nariz e lábios extremamente acentuados e cor da pele negra evidenciada". 

A reportagem também informa que, em manifestação feita à Justiça durante o processo judicial aberto pela economista, o Cebraspe, órgão responsável por organizar o processo seletivo, afirmou que, para ingressar pelo sistema de cotas, a pessoa deve ser considerada parda e possuir também "características fenotípicas de pessoas negras".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247