Centrais fazem ato contra o governo Bolsonaro: 'redução do auxílio é um crime'

Segundo o presidente da Central Única dos Trabalhadores, Sérgio Nobre, "a redução do auxílio emergencial é um crime porque o Brasil, oitava economia do planeta tem dinheiro, sim, para socorrer o povo brasileiro". Além da CUT, participaram do ato entidades como Contag, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, MST e frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Veja mais

www.brasil247.com - Presidente da CUT, Sérgio Nobre
Presidente da CUT, Sérgio Nobre (Foto: Divulgação)


247 - Centrais sindicais fizeram nesta quarta-feira (26) manifestações, em Brasília (DF), contra o mau gerenciamento da pandemia do coronavírus pelo governo Jair Bolsonaro e em defesa de políticas geração de emprego, renda e distribuição da riqueza. Também criticaram a redução do auxílio emergencial, que neste ano chega a apenas cerca de metade daqueles que receberam no ano passado, e com valores de R$ 150 a R$ 375, contra os R$ 600 determinados pelo Congresso no ano passado.

De acordo com o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sérgio Nobre, "a redução do auxílio emergencial é um crime porque o Brasil, oitava economia do planeta tem dinheiro, sim, para socorrer o povo brasileiro".

O sindicalista destacou que objetivo dos manifestantes foi "chamar a atenção para a questão da fome, da carestia". "Famílias inteiras estão dormindo nas calçadas. Isso tinha acabado e não esperávamos que essa situação voltasse – pessoas, crianças, pedindo auxilio nos faróis e supermercados", disse o dirigente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Aristides Veras dos Santos, disse que o ato foi "por R$ 600, contra a fome, contra a miséria, contra a pobreza e para que o Congresso Nacional encaminhe pautas que interessam ao povo".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A presidente do PT, deputada Federal Gleisi Hoffmann, considerou fundamental a luta das centrais e movimentos sociais para que o povo brasileiro "saia da miséria". "É fundamental lutarmos para que o povo saia da miséria, a fome não cresça e para defendermos a vida com a vacina”, disse Gleisi.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da CUT e da Contag, o protesto contou com participação das seguintes entidades: Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical, Pública, CSP-Conlutas, CGTB, MST e das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, realizado em Brasília na manhã desta quarta-feira (26). 

O ato antecedeu a entrega da Agenda Legislativa das Centrais Sindicais para a Classe Trabalhadora à presidência da Câmara dos Deputados e do Senado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

*Com informações da CUT

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email