Com novo emprego, Dirceu organiza ceia na Papuda

Defesa do ex-ministro entra com petição na Vara de Execuções de Brasília para que ele assuma vaga oferecida pelo advogado José Gerardo Grossi, por um salário de R$ 2,1 mil; ele irá trabalhar na biblioteca do escritório que defende, entre outros casos, o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) no mensalão tucano; Dirceu também nega clima de rebelião na prisão e diz que já planeja festa de Natal com outros condenados  

Defesa do ex-ministro entra com petição na Vara de Execuções de Brasília para que ele assuma vaga oferecida pelo advogado José Gerardo Grossi, por um salário de R$ 2,1 mil; ele irá trabalhar na biblioteca do escritório que defende, entre outros casos, o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) no mensalão tucano; Dirceu também nega clima de rebelião na prisão e diz que já planeja festa de Natal com outros condenados
 
Defesa do ex-ministro entra com petição na Vara de Execuções de Brasília para que ele assuma vaga oferecida pelo advogado José Gerardo Grossi, por um salário de R$ 2,1 mil; ele irá trabalhar na biblioteca do escritório que defende, entre outros casos, o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) no mensalão tucano; Dirceu também nega clima de rebelião na prisão e diz que já planeja festa de Natal com outros condenados   (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Após a polêmica do cargo de R$ 20 mil oferecido a José Dirceu no hotel Saint Peter, o ex-ministro agora pede autorização para sair da prisão durante o dia e trabalhar num escritório de advocacia.

Dirceu cumpre pena no Complexo da Papuda, pela condenação na AP 470, o chamado “mensalão”.

Segundo Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, petição enviada à Vara de Execuções de Brasília, aponta oferta de emprego do escritório do advogado José Gerardo Grossi, por um salário de R$ 2.100.

Em carta enviada ao advogado de Dirceu, José Luis Oliveira Lima, Grossi diz: "Acaso consentido o trabalho para seu cliente, em nosso escritório ele se encarregará da organização e manutenção da biblioteca jurídica, da eventual pesquisa de jurisprudência e de colaboração na parte administrativa".

A ironia no caso é que o escritório de Grossi defende, entre outros processos, o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) na ação penal 536, que trata do chamado mensalão tucano.

Enquanto aguarda a resposta, o ex-ministro já se organiza na cadeia para a ceia de Natal, ao lado dos outros condenados da AP 470. Ele teria relatado ao deputado federal Edson Santos (PT-RJ) que não existe clima nenhum de rebelião, como insistem a Folha de S. Paulo e o Globo (Leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247