Cunha bancava vice da Caixa com propina

Ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto disse que suas despesas pessoais eram pagas pelo hoje presidente afastado da Câmara com propina; segundo as investigações do Ministério Público Federal, o dinheiro usado era fruto de um esquema para liberar a empresas recursos do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) junto à Caixa

Ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto disse que suas despesas pessoais eram pagas pelo hoje presidente afastado da Câmara com propina; segundo as investigações do Ministério Público Federal, o dinheiro usado era fruto de um esquema para liberar a empresas recursos do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) junto à Caixa
Ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto disse que suas despesas pessoais eram pagas pelo hoje presidente afastado da Câmara com propina; segundo as investigações do Ministério Público Federal, o dinheiro usado era fruto de um esquema para liberar a empresas recursos do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) junto à Caixa (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em delação premiada, o ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto disse que suas despesas pessoais eram pagas pelo hoje presidente afastado da Câmara com propina.

Cleto afirmou, segundo fontes com acesso às investigações, que o empresário Lúcio Funaro, preso na última sexta-feira na Operação Sépsis, chegou a pagar suas despesas pessoais no Brasil. Uma desavença entre Funaro e Cleto fez com que Cunha assumisse os pagamentos, de acordo com reportagem de Vinicius Sassine.

Segundo as investigações do Ministério Público Federal, o dinheiro usado era fruto de um esquema para liberar a empresas recursos do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) junto à Caixa.

“O declarante recebia orientações de como proceder e agir dentro da Caixa tanto de Eduardo Cunha quanto de Lúcio Bolonha Funaro. No entanto, a contabilidade das propinas inicialmente era de responsabilidade de Funaro”, diz trecho da delação de Cleto.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247