CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasília

Cunha: decisão de adiar votação no Conselho de Ética foi autoritária

O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou nesta terça (7), por meio de nota, de "autoritária" a decisão da presidência do Conselho de Ética de encerrar, no início da tarde, a sessão que votaria o relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) que recomendava a cassação do mandato do peemedebista; segundo Cunha, a sessão foi encerrada de "forma abrupta e antirregimental". Ele também reclamou no comunicado que a decisão do presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), teria sido uma "manobra espúria"

Imagem Thumbnail
O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou nesta terça (7), por meio de nota, de "autoritária" a decisão da presidência do Conselho de Ética de encerrar, no início da tarde, a sessão que votaria o relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) que recomendava a cassação do mandato do peemedebista; segundo Cunha, a sessão foi encerrada de "forma abrupta e antirregimental". Ele também reclamou no comunicado que a decisão do presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), teria sido uma "manobra espúria" (Foto: Valter Lima)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou nesta terça-feira (7), por meio de nota, de "autoritária" a decisão da presidência do Conselho de Ética de encerrar, no início da tarde, a sessão que votaria o relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) que recomendava a cassação do mandato do peemedebista.

Segundo Cunha, a sessão foi encerrada de "forma abrupta e antirregimental". Ele também reclamou no comunicado que a decisão do presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), teria sido uma "manobra espúria".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A revolta de Eduardo Cunha se deu porque seus aliados acreditavam que tinham condições de derrubar nesta terça o relatório de Marcos Rogério no Conselho de Ética. 

"A falta de ética do presidente do Conselho de Ética fez com que ele encerrasse a sessão de hoje [terça], em mais de uma das suas manobras, de forma abrupta, antirregimental e autoritária. Na sua falta de convicção de alcançar o resultado que ele desejava, optou pela manobra espúria de encerrar a sessão, sem amparo no regimento", escreveu Eduardo Cunha na nota.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO