Deputados cobram explicações sobre casos de espionagem

Autoridades se reúnem com Agências de comunicação e empresas de internet para tratar de caso de espionagem dos Estados Unidos. Na quinta-feira, Câmara vai ouvir o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, sobre episódio recente da detenção de David Miranda, companheiro do jornalista do diário inglês The Guardian, Glenn Greenwald, em aeroporto de Londres

Autoridades se reúnem com Agências de comunicação e empresas de internet para tratar de caso de espionagem dos Estados Unidos. Na quinta-feira, Câmara vai ouvir o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, sobre episódio recente da detenção de David Miranda, companheiro do jornalista do diário inglês The Guardian, Glenn Greenwald, em aeroporto de Londres
Autoridades se reúnem com Agências de comunicação e empresas de internet para tratar de caso de espionagem dos Estados Unidos. Na quinta-feira, Câmara vai ouvir o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, sobre episódio recente da detenção de David Miranda, companheiro do jornalista do diário inglês The Guardian, Glenn Greenwald, em aeroporto de Londres (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil
Brasília – As autoridades brasileiras vão insistir na exigência de explicações e informações sobre o esquema de espionagem de agências norte-americanas a cidadãos brasileiros. A iniciativa foi agravada com a detenção, por quase nove horas, do brasileiro David Miranda no Aeroporto de Heathrow, em Londres (Reino Unido), no último domingo (18). Miranda é companheiro do jornalista do diário inglês The Guardian, Glenn Greenwald, que divulgou informações sobre o esquema de espionagem do governo norte-americano.

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados promove, ao longo da semana, uma série de audiências públicas sobre os desdobramentos do tema. Hoje (20), às 14h30, haverá a segunda parte da audiência pública conjunta com as comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, Fiscalização Financeira e Controle, Defesa do Consumidor e de Legislação Participativa.

Na sessão conjunta, a discussão será sobre as eventuais fragilidades nos sistemas de guarda e fluxo de conteúdo de informações pessoais, oficiais ou economicamente estratégicas do cidadão brasileiro, do Estado e do setor privado.

Durante a audiência hoje serão ouvidos representantes das empresas brasileiras de telecomunicações e internet. Foram convidados os presidentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), da Associação Brasileira de Internet (Abranet), da Microsoft Brasil, do Google, Facebook e Twitter no Brasil, além do coordenador do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), e do professor Gustavo Torres, do Departamento de Ciência da Computação da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais.

Amanhã (21) haverá audiência pública para debater o projeto de lei que dispõe sobre o ingresso, a permanência e saída de estrangeiros do território nacional. Participarão dos debates o diretor do Centro de Estudos Migratórios da Missão Paz, Padre Paolo Parise, o presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, Paulo Abrão Pires Júnior, o consultor jurídico da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários e Aéreos, na Pesca e nos Portos (Conttmaf), Edson Areias, e o Padre Raimundo de Araújo Lopes.

Na quinta-feira (22) será a vez de a comissão ouvir o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Em discussão, a cobrança de explicações do governo brasileiro aos Estados Unidos sobre o esquema de espionagem e o episódio recente da detenção de Miranda, em Londres. Ontem (19) Patriota conversou, por telefone, com o chanceler britânico William Hague e reiterou ser injustiça a retenção do brasileiro.

Edição: Graça Adjuto

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email