Desinformação, ataques e ameaças não são fantasmas, diz Fachin

"A desinformação também tem forma, nome e origem. Não é um fantasma. Não é um espectro. É um fato evidente", acrescentou

www.brasil247.com - Edson Fachin
Edson Fachin (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)


BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, afirmou nesta sexta-feira, em resposta indireta a fala do presidente Jair Bolsonaro na véspera, que a desinformação, assim como ataques a instituições e seus integrantes, não são "fantasmas".

Ao discursar em evento de magistrados na Bahia, Fachin voltou a defender o processo eleitoral, garantiu que as urnas são seguras e disse que a corte continuará contando com a participação das Forças Armadas na área logística do pleito, mas reiterou que jamais irá se submeter.

"Dizem que falo de fantasmas. Darei os nomes. A violência tem gênero, números e graus. Não é um fantasma, não é uma assombração. A violência no Brasil é assombrosa, é trágica, é terrível. É uma realidade pavorosa que se põe cada vez mais na ordem do dia", disse o ministro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A violência contra a imprensa e seus imprescindíveis profissionais... As ameaças à integridade física de magistrados e de seus familiares... Os ataques das milícias digitais geradoras de insegurança cibernética... e o que ainda mais triste: a bestialidade moral e simbólico dos discursos de ódio."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A desinformação também tem forma, nome e origem. Não é um fantasma. Não é um espectro. É um fato evidente", acrescentou.

Fachin não mencionou diretamente Bolsonaro. Na quinta-feira, o presidente da República disse, referindo-se ao ministro, não saber "de onde ele está tirando esse fantasma que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro, que já afirmou que não aceitaria o resultado de eleições que não forem realizadas de forma "limpa" e chegou a sugerir que as Forças Armadas participassem de uma apuração paralela dos votos, rebatia declaração anterior de Fachin. O ministro havia afirmado que é a população desarmada quem trata das eleições.

No evento desta sexta, Fachin afirmou ainda que a Justiça Eleitoral segue contando com o "valoroso auxílio logístico" das Forças Armadas e ressaltou que o país "tem e terá eleições íntegras".

Segundo ele, isso só é possível porque a Justiça Eleitoral é um "patrimônio democrático" do país e porque a Constituição garante o voto secreto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O processo eletrônico é seguro, transparente e auditável", disse.

"A nenhuma instituição ou autoridade a Constituição atribui poderes que são próprios e exclusivos da Justiça Eleitoral. Não permitiremos a subversão do processo eleitoral e digo com todas as letras para que não se tenha dúvida: para remover a Justiça Eleitoral de suas funções, este presidente teria antes que ser removido antes da Presidência. Não cederemos. Diálogo, sim, joelhos dobrados por submissão, jamais."

O presidente do TSE também faz referência a inquérito do STF que apura a suposta atuação de uma grupo de disparo de mensagens e postagens em redes sociais, principalmente, de conteúdo antidemocrático ou com as chamadas "fake news".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há três dias, o relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, determinou que as investigações em torno dos ataques que o presidente Jair Bolsonaro fez às urnas eletrônicas em uma live no ano passado sejam realizadas conjuntamente com esse inquérito das milícias digitais.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email