Disputa pela vaga de Benício continua

Apesar de Robrio Negreiros ter tomado posse na semana passada, o guarda Jnio no desistiu de brigar pela cadeira na Cmara Legislativa; ele recorreu no Tribunal Regional Eleitoral e no Tribunal Superior Eleitoral

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Naira Trindade _Brasília247 – A posse do empresário Robério Negreiros (PMDB) na vaga do deputado-cassado Benício Tavares, de mesmo partido, na semana passada não tirou a esperança do Guarda Jânio de assumir a cadeira na Câmara Legislativa. O Partido Socialista Brasileiro (PSB) continua brigando na Justiça para sentar-se no posto deixado por Benício sob a alegação de que os votos dele devem ser anulados.

O presidente regional do partido, Marcos Dantas, anunciou, em coletiva de imprensa na quarta-feira (11), os argumentos que são usados pelos advogados para reaver a cadeira na Câmara. “Benício teve mandato cassado por compra de votos e abuso de poder econômico e, em razão disso, os votos deles não devem servir para o partido. Assim, a vaga é, por direito, do PSB”, analisa Dantas. “Benício também legislou em 2011 por meio de liminar, o que é proibido, e isso também será usado em nosso favor.”

O partido pediu a anulação dos votos de Benício no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na contagem dos votos, segundo o Guarda Jânio, com a anulação dos 17.558 votos do peemedebista, a vaga fica com o outro partido que soma mais votos. O Guarda Jâio teve 800 votos. Raimundo Ribeiro (PSDB) também está de olho na vaga deixada por Benício.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email