Em saia justa com Cunha, Janot defende Lava Jato

No início de seu discurso durante a cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que estava sentado ao lado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), saudou apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que representava a presidente Dilma Rousseff, sem citar o nome do deputado; em sua fala, Janot destacou o sucesso da Lava Jato; Cunha foi denunciado pela PGR por suspeita de ter recebido US$ 5 milhões em propina no esquema da Petrobras e é alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias no exterior no nome dele e de familiares

www.brasil247.com - No início de seu discurso durante a cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que estava sentado ao lado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), saudou apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que representava a presidente Dilma Rousseff, sem citar o nome do deputado; em sua fala, Janot destacou o sucesso da Lava Jato; Cunha foi denunciado pela PGR por suspeita de ter recebido US$ 5 milhões em propina no esquema da Petrobras e é alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias no exterior no nome dele e de familiares
No início de seu discurso durante a cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que estava sentado ao lado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), saudou apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que representava a presidente Dilma Rousseff, sem citar o nome do deputado; em sua fala, Janot destacou o sucesso da Lava Jato; Cunha foi denunciado pela PGR por suspeita de ter recebido US$ 5 milhões em propina no esquema da Petrobras e é alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias no exterior no nome dele e de familiares (Foto: Gisele Federicce)


247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ignorou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao fazer as saudações das autoridades presentes no início de sua fala durante a cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário no Supremo Tribunal Federal.

Janot, que estava sentado ao lado de Cunha, saudou apenas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que representava a presidente Dilma Rousseff.

Em seu discurso, Janot destacou o sucesso da Lava Jato, investigação pela qual Cunha é alvo de denúncia da PGR. Leia mais na reportagem da Reuters:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao lado de Cunha e Renan, Janot destaca sucesso da Lava Jato em discurso no STF

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, exaltou nesta segunda-feira o sucesso da operação Lava Jato ao discursar na abertura do ano do Judiciário no Supremo Tribunal Federal (STF) em cerimônia com a presença dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ambos investigados pela operação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Os poderes político, econômico e os setores da sociedade civil hão de entender que o país adentrou em nova fase, da qual os holofotes não serão desligados e estarão constantemente direcionados à observância estrita do ordenamento jurídico. É isso que a sociedade espera do Ministério Público", afirmou Janot, após enumerar dados da Lava Jato como 119 mandados de prisão cumpridos, 40 acordos de delação premiada e 5 acordo de leniência.

"Até o momento são 80 condenações, contabilizando 783 anos e 2 meses de pena", acrescentou.

Segundo Janot, os crimes denunciados até o momento envolvem o pagamento de propina de 6,4 bilhões de reais, dos quais 2,8 bilhões foram recuperados por meio de acordos de colaboração e 659 milhões foram repatriados. Também já foram bloqueados 2,4 bilhões de reais em bens dos réus, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Janot também rebateu os críticos da Lava Jato, dizendo que "enganam-se de forma propositada e interpretam de forma distorcida aqueles que questionam" o cerne das investigações.

"Da mesma forma que elementos podem conduzir nossa atuação ao oferecimento de denúncia, igualmente levam-nos a querer o arquivamento. A autonomia e a imparcialidade da Justiça e do Ministério Público opõem-se a qualquer tipo de autoritarismo, de caráter político, ideológico ou econômico", afirmou.

O procurador-geral fez o discurso lado a lado com Cunha, que é alvo de um pedido de afastamento da presidência da Câmara e de seu mandato parlamentar em decorrência dos inquéritos no âmbito da Lava Jato.

O deputado foi denunciado pela PGR por suspeita de ter recebido 5 milhões de dólares em propina no esquema de corrupção na Petrobras. Também é alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias no exterior no nome dele e de familiares.

Após Janot discursar, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, elogiou a fala do procurador-geral, dizendo que ficará marcada na história da corte.

Também estava presente à cerimônia, representando a presidente Dilma Rousseff, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que já foi criticado por Cunha por supostamente não coibir vazamentos de informações sigilosas envolvendo o deputado. Cunha, Cardozo e Renan não discursaram na cerimônia.

(Reportagem de César Raizer, com reportagem adicional de Pedro Fonseca)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email