Embaixador dos Estados Unidos no Brasil reafirma veto à Huawei no 5G

Todd Chapman disse que este é um tema sensível e que os Estados Unidos desejam que o Brasil compre tecnologia de empresas americanas ou "parceiros confiáveis", como Nokia, Samsung e Ericsson

Embaixador nega que EUA tenham bloqueado compra de equipamentos contra coronavírus pelo Brasil
Embaixador nega que EUA tenham bloqueado compra de equipamentos contra coronavírus pelo Brasil (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O embaixador dos Estados Unidos em Brasília, Todd Chapman, reiterou, em entrevista à jornalista Sônia Racy, no jornal Estado de S. Paulo, que os Estados Unidos não pretendem permitir que o Brasil adquira tecnologia chinesa no 5G – a internet de altíssima velocidade. "É um tema muito importante para nós. Tanto que o governo americano já nos informou que pretende investir em projetos de 5G no Brasil que usem equipamentos de empresas americanas ou do que chamamos de 'trusted supplyer', parceiros confiáveis", disse ele, citando companhias como Nokia, Samsung e Ericsson.

Ao ser questionado sobre a Huawei, ele explicitou seu veto. "Não, porque a Huawei é uma mangueira com muitos furos, que vaza informações para a China. Trata-se do mesmo problema que temos com a covid-19: falta de transparência. A tecnologia chinesa é excelente, mas, quando ela é usada para reprimir os direitos das pessoas, se torna um instrumento negativo. Em países autoritários, a tecnologia é usada para reprimir, não para libertar. E esse princípio, da liberdade, precisa ser defendido", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247