CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasília

Gladson da Rocha: amor por Brasília antes mesmo de conhecê-la

Memórias do arquiteto que trabalhou na construção da cidade foram entregues ao Arquivo Público do DF. O resultado deverá ser o sétimo acervo privado do órgão

Imagem Thumbnail
Memórias do arquiteto que trabalhou na construção da cidade foram entregues ao Arquivo Público do DF. O resultado deverá ser o sétimo acervo privado do órgão (Foto: Fatima 247)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Gabriela Moll, da Agência Brasília - A história arquitetônica de Brasília ocupa cada vez mais espaço na preservação da memória guardada pelo Arquivo Público do Distrito Federal. Em 22 de maio, o órgão recebeu, das mãos de familiares, o acervo de Gladson da Rocha Pimentel (1923-2007), arquiteto capixaba que integrou a equipe de Oscar Niemeyer na construção da cidade. “Este é mais um lado da história de Brasília que poderemos desvendar”, alegra-se a coordenadora do Arquivo Permanente do órgão, Tereza Eleutério.

Projetos urbanísticos, plantas, recortes de jornais, planos internacionais, diplomas e até abreugrafias (exame nos pulmões que diagnosticava tuberculose) dos empregados estão entre as relíquias de Pimentel. “Ainda há dúvidas sobre o que era feito de punho próprio e o que era material de pesquisa”, antecipa o historiador Elias Manoel da Silva.

Coleções individuais
O objetivo é criar um fundo com esse acervo pessoal. Em 2013, começaram a chegar algumas contribuições do arquiteto: o material tem 44 plantas, dois metros lineares de documentos, negativos de fotografias, recortes de jornais e documentos particulares.

O conjunto particular será o sétimo entre os fundos privados do Arquivo Público. Só neste ano, foram entregues memórias do ex-prefeito de Brasília Paulo de Tarso Santos e do médico, militar e pioneiro Ernesto Silva. Também existem o da bióloga belga Yvone Jean, o do fotógrafo Juca Chaves, o da professora pioneira Ecilda Ramos de Souza e registros do Brasília Palace Hotel.

Estudante no México
O interesse do arquiteto capixaba por Brasília começou antes de a capital nascer. Em 1956, ele estudava arquitetura na Universidad Nacional Autónoma, no México, quando passou por uma banca de jornais e se deparou com a manchete La Nueva Capital de Brasil, em referência ao projeto de construção do Plano Piloto.

Entusiasmado, reuniu material sobre o projeto de Lucio Costa, os estudos iniciais de Oscar Niemeyer e passou a dar palestras sobre o trabalho em capitais latino-americanas com apoio da Embaixada do Brasil.

Vida plena
Em 1957, chegou à cidade e integrou o Departamento de Urbanismo e Arquitetura da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) “Iniciava-se, para mim, uma vida plena e rica, no melhor nível e na melhor equipe do país”, confessou Pimentel no prefácio do livro Minha Opção por Brasília — Planejamento Urbano e Arquitetura, lançado em 1997.

Em entrevista ao Arquivo Público do DF em 1989, para o Programa de História Oral, ele admite que Brasília foi a melhor escolha de vida. “Além da importância para pesquisadores e historiadores, os áudios são importantes para humanizarmos os personagens da história da cidade”, conclui a coordenadora Tereza Eleutério.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO