Greve e chuvas deixam brasilienses no escuro

Nmero de ligaes para o telefone de atendimento da Companhia Energtica de Braslia saltou de 150, em mdia por dia, para 647 at meio-dia desta tera-feira. Aumento resultado da combinao greve dos funcionrios e chegada de temporais

Naira Trindade_ Brasília247 – As chuvas agravaram ainda mais os transtornos provocados pela greve dos servidores da Companhia Energética de Brasília (CEB). Com a paralisação, apenas 16 das 30 equipes da CEB trabalham para restabelecer os serviços. Os brasilienses, que antes esperavam quatro horas para o retorno da energia, segundo a CEB, agora ficam até dez horas no escuro. Na onda das paralisações, a Polícia Civil – em greve há dez dias – aumentou de 30% para 70% o efetivo de servidores nas delegacias. E os funcionários da Novacap decidirão na quinta-feira (10) se também vão cruzar os braços.

Desde fevereiro, pelo menos 13 movimentos sindicais paralisaram as atividades das categorias para pressionar o governo do Distrito Federal a reajustar os vencimentos. Paralisados há cinco dias, os funcionários da CEB reivindica reposição salarial igualitária para todos os níveis da carreira. A companhia tem registrado aumento no número de reclamações por interrupções do serviço. Diariamente, a CEB recebia, em média, 150 ligações, mas o número subiu. Nesta terça-feira (8), só até o meio-dia eram 647. Neste momento, há consumidores sem energia em todas as regiões administrativas do Distrito Federal, segundo a companhia.

Nas negociações, o Sindicato dos Urbanitários do Distrito Federal (Stiu) rejeitou a proposta apresentada pela companhia de 7,4% de correção salarial, abono salarial de R$ 2 mil e talão extra de vale-alimentação no valor de R$ 700. O diretor do sindicato, Jeová Pereira de Oliveira, considera a proposta insuficiente. Ele ainda diz que é prática da empresa um eletricista receber aumento de menos de 5%, enquanto um economista concursado da empresa ganha 20%.

O diretor de Engenharia da CEB, Mauro Martinelli, explica que a proposta está no limite que a companhia pode pagar. "Se os interesses da estatal não estiverem fortalecidos, não haverá sequer emprego para atender aos interesses dos funcionários." Segundo Martinelli, a companhia está com déficit de R$ 14 milhões mensais, o que dificulta cumprir todas as reivindicações da categoria.

Novacap

Os 1,5 mil servidores da Novacap vão decidir o rumo da categoria na quinta-feira (10), às 17 horas. O vice-presidente do Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Governo do Distrito Federal (Sindser), Antônio Ribamar Dias dos Santos, espera receber uma proposta do governo nesta quarta-feira (9). Na semana passada, os servidores fizeram uma paralisação de 24 horas. Cobram um plano de cargos, carreiras e salários, reajuste salarial, revisão no valor de tíquetes, além da realização de concurso público.

Na Polícia Civil, agentes e delegados suspenderam os registros de ocorrências de menor gravidade há dez dias. Apenas boletins de assassinatos, tentativas de homicídios e estupros são registrados pelos agentes. Nesta terça-feira (8), os policiais acataram a decisão judicial que obriga o aumento de efetivo de 30% para 70% nas delegacias de polícia. Eles programam uma carreata para as 14 horas de quarta-feira (9) com saída em frente à Departamento de Polícia Especializada em direção ao Ministério do Planejamento, na Esplanada dos Ministérios. A categoria reivindica reajuste salarial de 13%, mas o novo diretor da Polícia Civil, Onofre Moraes, afirmou ao tomar posse que os policiais não terão aumento.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247