Há 500 dias, Lula é um sequestrado político da organização criminosa da Lava Jato, diz Pimenta

Em discurso na tribuna da Câmara, o líder do PT, Paulo Pimenta, defendeu a liberdade do ex-presidente Lula, cuja prisão política completa 500 dias nesta terça-feira, 20; “Agora, o povo brasileiro descobriu não só que não existem provas contra Lula como também que havia uma relação criminosa entre o ex-juiz Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e outros membros da Lava Jato"

www.brasil247.com - Brasília- DF. 20-08-2019  Deputados Paulo Pimenta durante discurso. Foto Lula Marques
Brasília- DF. 20-08-2019 Deputados Paulo Pimenta durante discurso. Foto Lula Marques (Foto: LULA MARQUES)


Do PT na Câmara - O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), denunciou hoje (20) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um verdadeiro “sequestrado político” há 500 dias em Curitiba, vítima de um processo político no qual foi condenado sem provas.

“Agora, o povo brasileiro descobriu não só que não existem provas contra Lula como também que havia uma relação criminosa entre o ex-juiz Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e outros membros da Lava Jato, num conluio para rasgar as leis e a Constituição e criar condições para condenar Lula numa fraude e tirá-lo da corrida presidencial do ano passado”, denunciou o líder do PT.

Interesses estrangeiros

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Pimenta, a condenação do ex-presidente se inseriu numa trama alimentada por interesses fora do Brasil, que começou com o afastamento da presidenta legítima Dilma Rousseff no golpe de 2016, o impedimento da candidatura de Lula nas eleições de 2018 e procedimentos calculados para prejudicar a de Fernando Haddad.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O objetivo era entregar o pré-sal a estrangeiros, privatizar ativos da Petrobras e quebrar a soberania nacional, tirando o protagonismo internacional que o Brasil adquiriu com os governos do PT e transformar o País em quintal dos interesses dos Estados Unidos, com a eleição de Bolsonaro”, comentou Pimenta.

Liberdade de Lula

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pimenta lembrou que nestes 500 dias em que está preso, Lula, com total dignidade, desafiou o ex-juiz Sérgio Moro e os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4º Região a apresentarem qualquer prova contra ele, e nada apareceu. Ao contrário, reportagens do site The Intercept Brasil e veículos de comunicação da mídia tradicional – com base em conversas entre integrantes da Lava Jato pelo aplicativo do Telegram — provam a existência de um esquema criminoso no âmbito da força-tarefa em Curitiba.

Para Pimenta, as revelações do último fim de semana da Folha de S. Paulo mostram, na verdade, a criação de uma “verdadeira quadrilha” na Lava Jato. Ele lembrou que o jornal revelou que além da ilegal atuação entre Moro e procuradores, para perseguir alvos específicos, em especial o ex-presidente Lula, houve também conluio com auditor da Receita Federal para acessar dados confidenciais de contribuintes sem haver ordem judicial, entre eles pessoas da família de Lula e até o caseiro de um sítio em Atibaia.

Prisão arbitrária

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O líder do PT reafirmou a inocência de Lula, que nestes 500 dias de prisão arbitrária tem recebido não só a solidariedade do povo brasileiro, mas também de personalidades de todo o mundo, de parlamentares a juristas e militantes em prol da democracia e do respeito às garantias individuais. “São personalidades mundiais que atestam a inocência de Lula e pedem um julgamento justo”, destacou Pimenta.

“A libertação de Lula é um imperativo para todos os que acreditam na democracia, valorizam a Constituição”, disse Pimenta. “A liberdade de Lula é mais que a liberdade de uma pessoa, é a liberdade do direito de sonhar de uma nação que clama por soberania, democracia e justiça”.

Governo criminoso

“Valeu a pena essa associação criminosa?”, provocou o líder do PT, ao lembrar que a Lava Jato abriu caminho para a eleição do direitista Jair Bolsonaro, a nomeação de Moro para o Ministério da Justiça e a sucessão de ataques aos direitos sociais e trabalhistas do povo brasileiro, além do desmonte do Estado.

Pimenta citou, por exemplo, ataques de Bolsonaro à autonomia da Polícia Federal e da Receita Federal, inclusive para facilitar a atuação de milicianos no Rio de Janeiro, entre eles o desaparecido Fabrício Queiroz, apontado como líder de um esquema criminoso ligado à família Bolsonaro.

Pimenta disse que o atual governo não ataca o problema do desemprego – são quase 15 milhões de desempregados e outros 30 milhões de subempregados – e ainda corrói as instituições, ao rasgar a Constituição, violar o Estado Democrático de Direito e transformar o Palácio do Planalto “numa ponta da organização criminosa ligada à família Bolsonaro”.

Assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email