Inquérito da PF sobre organizações criminosas digitais chega a Eduardo Bolsonaro

De acordo com investigadores, Eduardo Bolsonaro é um dos líderes do "núcleo político" da organização criminosa. O trabalho sigiloso da PF apontou que o parlamentar coordena a interlocução com Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump

Deputado Eduardo Bolsonaro
Deputado Eduardo Bolsonaro (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados | Agência Brasil | Pixabay)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - As investigações da Polícia Federal sobre esquemas de milícias digitais chegaram ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Reservadamente, investigadores se convenceram de que o parlamentar é um dos líderes do "núcleo político" da organização criminosa. O inquérito tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) sob o comando de Alexandre de Moraes.

De acordo com informações do site O Bastidor, o trabalho sigiloso da PF apontou que Eduardo coordena a interlocução com Steve Bannon, ex-estrategista do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. "Dissemina ataques digitais contra o Supremo Tribunal Federal e as urnas eletrônicas, para desestabilizar as instituições democráticas e, por consequência, fazer a população achar que elas atrapalham a governabilidade", afirma o site. 

O ministro do STF já havia incluído Jair Bolsonaro no inquérito das fake news.   Agora, a crise entre o Palácio do Planalto e o STF alcançará novo patamar, caso a PF avance na investigação da maneira que os policiais querem.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email