Interferência de Bolsonaro gera crise e ameaça de demissão também na Receita Federal

Seis subsecretários do órgão ameaçam entregar seus cargos em efeito cascata, com outros chefes da alta administração. O motivo: assim como na PF, Jair Bolsonaro ameaça fazer indicações políticas em postos-chave para favorecer sua família. Chefe da Receita no Rio, que se recusou a nomear indicado, tem cargo ameaçado

(Foto: Miriam Zomer/Agência AL - Carolina Antunes/PR)

247 - A postura antidemocrática de Jair Bolsonaro nas instituições e órgãos do País tem gerado crises e ameaças de demissões coletivas. Depois da Polícia Federal, corporação que o presidente assegurou ser 'ele quem manda' e anunciou uma troca na superintendência no Rio de Janeiro, é a vez de uma crise na Receita Federal.

Seis subsecretários do órgão ameaçam entregar seus cargos, possivelmente em efeito cascata, junto a outros chefes da alta administração, segundo reportagem do Estado de S.Paulo. O motivo: ameaça de interferência de Bolsonaro, que quer fazer indicações políticas no Rio de Janeiro e em outros postos-chave.

A crise se agravou com o recente episódio envolvendo o secretário especial da Receita, Marcos Cintra - que pode deixar o cargo. Cintra pediu ao superintendente no Rio, Mário Dehon, a troca de delegados chefes de duas unidades no Estado – a Delegacia da Alfândega da Receita Federal no Porto de Itaguaí e da Delegacia da Receita Federal no Rio de Janeiro II, na Barra da Tijuca. O pedido teria partido de familiares de Bolsonaro.

"A Delegacia da Alfândega da Receita Federal no Porto de Itaguaí é estratégica no combate a ilícitos praticados por milícias e pelo narcotráfico em operações no porto, que incluem contrabandeado, pirataria e subvaloração de produtos", lembra a reportagem do Estado. Dehon, que se recusou a nomear o indicado do Planalto, está agora com o cargo ameaçado.

“Independentemente de quem tenha feito ou qual seja o ‘pedido’, tentativas como essa de interferência política no órgão são absolutamente intoleráveis, típicas de quem não sabe discernir a relevância de um órgão de Estado como a Receita Federal”, reagiu o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) na noite desta sexta-feira 16. “A possível exoneração de um superintendente por tal razão é algo jamais visto”, acrescentou a entidade.

Conheça a TV 247

Mais de Brasília

Ao vivo na TV 247 Youtube 247