Jorge Viana diz que Temer mergulhou Brasil na desesperança e pede uma saída

"Nunca pensei que ia ouvir no Senado, no Bom Dia Brasil, no Jornal Nacional, em qualquer veículo de comunicação que a gente ouve, no rádio, ou lê, dizendo assim: 'O presidente da República Michel Temer é chefe de uma quadrilha'. Dito pela Polícia Federal do Brasil numa investigação", advertiu o senador Jorge Viana (PT-AC); ele pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que promova uma reunião ampliada dos líderes políticos

Jorge Viana e Michel Temer
Jorge Viana e Michel Temer (Foto: Leonardo Attuch)

Brasília 247 – O senador Jorge Viana (PT-AC) subiu nesta quarta-feira, 21, à tribuna para pedir aos colegas que retomem o diálogo para apaziguar os ânimos e ajudar a construir uma saída para a crise institucional que vive o país. Ele pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que promova uma reunião ampliada dos líderes políticos. "Não podemos dar o calado como resposta ao povo brasileiro", disse. "Se todos nós perdemos na política, nós perdemos, mas quem paga a conta é o povo brasileiro, os 14 milhões de desempregados. Há desesperança".

Apoiado por colegas, Viana defendeu que o Senado assuma algum papel diante da crise. "Nós não podemos ficar numa espécie de zona de conforto, que no fundo é desconforto para todos", alertou. "Porque o conflito agora está entre o Palácio do Planalto e o Ministério Público Federal, o Palácio do Planalto e a Polícia Federal, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal". O senador comentou que o Senado precisa discutir o que fazer. "Aqui é a Casa de Rui Barbosa, aqui é o Senado Federal, tem 190 anos, que sempre teve grupos de mandatários para discutir em momentos de crise", disse.

Viana integra um grupo de parlamentares que começou, ainda nesta quarta-feira, um movimento suprapartidário para estabelecer o diálogo e discutir a conjuntura política, tentando retomar um mínimo de estabilidade, preocupado com o tensionamento entre os Poderes da República. O grupo inclui senadores como Armando Monteiro (PTB-PE), Ana Amélia Lemos (PP-RS), Cristovam Buarque (PPS-DF) e Roberto Muniz (PP-BA), entre outros senadores. Eles querem tratar do futuro do país, tendo em vista que o governo Michel Temer dá sinais de enfraquecimento político, o que tende a agravar a crise. "Não podemos mais acreditar que o governo que está lá no Palácio vá dar solução para o tamanho da crise que estamos vivendo. Não se trata de gostar ou não do governo. É o mundo real. Agora, e o povo brasileiro? Aguenta mais ainda? O Brasil aguenta?", questionou Viana.

"Nunca pensei que ia ouvir no Senado, no Bom Dia Brasil, no Jornal Nacional, em qualquer veículo de comunicação que a gente ouve, no rádio, ou lê, dizendo assim: 'O presidente da República Michel Temer é chefe de uma quadrilha'. Dito pela Polícia Federal do Brasil numa investigação", advertiu Viana. Ele também questionou o nível de enfrentamento institucional. "O presidente da República pede autorização da Justiça para processar um dos delatores, e a Justiça nega", comentou.

O senador se disse preocupado com o fato de mesmo o presidente interino da República tendo assumido, por conta da viagem de Temer ao exterior, o impasse político continua no horizonte. "Nada pessoal, mas, sinceramente, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, virou um cúmplice do Palácio. Deixou de lado a Presidência do Poder Legislativo, que é a Casa do povo, a Câmara Federal, e virou um cúmplice do Palácio", destacou Viana. "E nós estamos precisando de presidente de poder nessa hora, já que estamos vivendo uma crise".

Na tribuna do Senado, o senador acreano disse que no passado se lutava pelo sonho da retomada da democracia. E, agora, o tempo é de sofrimento sem sonho. "O sonho foi embora, porque o modelo político faliu, e a política sem honestidade, sem ética, não tem utopia, não tem sonho. Isso vale para todos nós, para todos os partidos, para todos nós que ocupamos mandato", alertou.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247