Judiciário tem dez dias para entregar à defesa de Lula mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol

Com as informações, será possível demonstrar tecnicamente que Lula foi alvo de um tribunal de exceção e de uma prisão política

www.brasil247.com -
(Foto: 247 - Reuters)


247 – A decisão de ontem do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que concede à defesa de Lula as mensagens trocadas por Sergio Moro e Deltan Dallagnol, é essencial para provar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo de um tribunal de exceção e, portanto de uma prisão arbitrária e política.
"O ministro Ricardo Lewandowski atendeu a um pedido da defesa do ex-presidente Lula e determinou que a 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal libere ao petista, com o apoio de peritos da Polícia Federal, dentro do prazo de até 10 dias, o compartilhamento das mensagens da Operação Spoofing — a popular Vaza-Jato", informa a coluna Radar.

Lula poderá ter acesso a todas as mensagens dos investigadores da Lava-Jato, roubadas por hackers, “que lhe digam respeito, direta ou indiretamente, bem assim as que tenham relação com investigações e ações penais contra ele movidas na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba ou em qualquer outra jurisdição, ainda que estrangeira”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois disso, o também ministro Gilmar Mendes poderá pautar a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, que prendeu o ex-presidente Lula para ajudar e eleger Jair Bolsonaro e ontem disse que não há presidente em Brasília.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email