Juiz auxiliar de Toffoli é proibido de se aproximar da ex-mulher após acusação de violência doméstica

Juiz auxiliar de Dias Toffoli na presidência do Conselho Nacional de Justiça, Fernando Pessôa da Silveira Mello foi proibido pelo Judiciário de se aproximar da ex-mulher, com quem foi casado de 2008 a 2019

Fernando Pessôa da Silveira Mello
Fernando Pessôa da Silveira Mello (Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Juiz auxiliar de Dias Toffoli na presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Fernando Pessôa da Silveira Mello foi proibido pelo Judiciário de se aproximar da ex-mulher. O magistrado é acusado de violência doméstica. Mello foi processado no começo deste ano por Ingrid França de Oliveira, com quem foi casado de 2008 a 2019. O casal vive em Brasília. Os relatos foram publicados na coluna de Guilherme Amado

"Há comprovação de atos de violência praticados pelo ofensor contra a vítima", escreveu o desembargador Robson Azevedo, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, na quarta-feira (22). "Verifico risco de dano irreparável ou de difícil reparação", continuou.

O desembargador proibiu a "aproximação e contato, por qualquer meio ou pessoa interposta" de Fernando Mello, sob pena de ter a prisão preventiva decretada. A medida consta da Lei Maria da Penha.

A esposa de Mello o acusou de ter comportamento "agressivo e ofensivo" e de perturbar sua tranquilidade insistentemente.

"Em 1 de setembro de 2019, Fernando encurralou Ingrid no canto do banheiro do apartamento, agredindo-a física e verbalmente, sufocando-a e ameaçando de acabar com a vida dela, e que ela ainda se arrependeria de não permanecerem casados", escreveram as advogadas de Ingrid no processo.

"Toda a situação ocorreu na frente do filho, que chorava muito presenciando os pais brigarem, chegando até a ingerir papel devido à ansiedade e ao nervosismo. Apesar de Ingrid exigir que o agressor largasse seu pescoço e que chamaria a polícia, Fernando só se afastou após Ingrid o segurar com as unhas pelo braço, forçando que ele se afastasse", continuaram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247