Justiça considera mais duas greves ilegais no DF

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios considerou ilegais as greves dos servidores da Fundação Hemocentro e do Instituto Médico-Legal, que se iniciaram em 8 de outubro; de acordo com a Justiça, eles devem voltar imediatamente às atividades, sob pena de multa diária de R$ 100 mil ao Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direita, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do Distrito Federal (Sindireta-DF)

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios considerou ilegais as greves dos servidores da Fundação Hemocentro e do Instituto Médico-Legal, que se iniciaram em 8 de outubro; de acordo com a Justiça, eles devem voltar imediatamente às atividades, sob pena de multa diária de R$ 100 mil ao Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direita, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do Distrito Federal (Sindireta-DF)
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios considerou ilegais as greves dos servidores da Fundação Hemocentro e do Instituto Médico-Legal, que se iniciaram em 8 de outubro; de acordo com a Justiça, eles devem voltar imediatamente às atividades, sob pena de multa diária de R$ 100 mil ao Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direita, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do Distrito Federal (Sindireta-DF) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasília - Em decisão nessa terça-feira (20), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios considerou ilegais as greves dos servidores da Fundação Hemocentro e do Instituto Médico-Legal, que se iniciaram em 8 de outubro. De acordo com a Justiça, eles devem voltar imediatamente às atividades, sob pena de multa diária de R$ 100 mil ao Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direita, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do Distrito Federal (Sindireta-DF).

O tribunal acatou os argumentos do governo de que os serviços ligados a essas atividades correm o risco de entrar em colapso, prejudicando de maneira grave a população.

Paralisação
Em 8 de outubro, integrantes de carreiras da administração pública que tiveram a última parcela do reajuste salarial adiado decidiram entrar em greve. Treze estão com as atividades paralisadas. A Justiça já decidiu pela ilegalidade dos movimentos dos profissionais da Saúde, dos professores e dos agentes penitenciários e socioeducativos.

*Com informações da Procuradoria-Geral do DF

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247