Kokay e entidades entram com representação contra Weintraub por declarações sobre a Unb

O ministro afirmou recentemente em entrevista à imprensa e na Comissão de Educação da Câmara que havia “plantações de maconha” na universidade

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada federal Erika Kokay (PT-DF), a Associação de Docentes da Universidade de Brasília (ADUnb), o Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) e representante do Diretório Central dos Estudantes - Honestino Guimarães, entraram com uma série de representações, nesta quinta-feira (19-12), contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, por declarações dirigidas à Universidade de Brasília (UnB). 

O ministro afirmou recentemente em entrevista à imprensa e na Comissão de Educação da Câmara que havia “plantações de maconha” na universidade.

Ao STF, Erika e as entidades pedem que no prazo legal o ministro responda sobre as acusações contra professores, servidores e estudantes, e detalhe quais são as universidades que “plantam maconha”, e se dispõe de provas para sustentar suas declarações.

Ao MPF, pedem abertura de investigação criminal com objetivo de apurar as condutas do ministro, além da abertura de procedimentos civis e administrativos para responsabilizar Weintraub por improbidade administrativa.

À Comissão de Ética da Presidência da República, solicitam apuração sobre as declarações e a exoneração de Weintraub do cargo.

“O ministro não tem condições de permanecer no cargo”, sustenta Erika Kokay.

O que Weintraub foi fazer no TCU?

Foi feito um requerimento de informações para que o Ministério da Educação (MEC) responda acerca de agenda de Weintraub com o ministro Walton Alencar, do Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo denúncias, Weintraub estaria agindo para que as contas da reitora Márcia Abrahão fossem rejeitadas, em contrariedade aos pareceres da Secretaria de Fiscalização da Educação e do Ministério Público do TCU, que pedem a aprovação das contas.

No requerimento, a Kokay questiona sobre o assunto tratado na reunião e se o ministro nega que tenha ido solicitar a reprovação das contas da UnB. A recusa das respostas por configurar crime de responsabilidade.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247