Maia critica previsão de 16 de abril e cobra pagamento antecipado de renda emergencial

“16 de abril não me parece tão emergencial para quem precisa desse recurso”, alfinetou o presidente da Câmara, afirmando que “o governo tem toda a condição” de pagar antes. Previsão de 16 de abril foi dada pelo ministro Onyx Lorenzoni

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni e Rodrigo Maia
Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni e Rodrigo Maia (Foto: Agência Brasil)


247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou o governo federal para que pague a renda emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais, aprovada no Senado nesta segunda-feira 30, antes da previsão dada pelo ministro Onyx Lorenzoni, da Cidadania.

Segundo Onyx, o salário deve começar a ser pago apenas em 16 de abril. Para Maia, “16 de abril não parece tão emergencial para quem precisa desse recurso”. Segundo ele, “o governo tem toda a condição” de pagar antes.

Nesta tarde, em coletiva de imprensa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi questionado se o texto foi uma “novidade” para o governo, uma vez que já vinha sendo debatido no Congresso antes da aprovação de ontem e já poderia estar agindo para acelerar o pagamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Guedes alegou “burocracia”, falou em necessidade de saber a “fonte de receita” e condicionou a liberação do recurso da renda básica à aprovação da PEC emergencial na Câmara. “Se o Rodrigo Maia aprovar a PEC em 24 horas, o dinheiro sai em 24 horas”, disse. Depois declarou que o pagamento poderá ser feito antes do dia 16, mas falou em necessidade de cadastro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email