Michelle aparece em rede nacional de TV em crime eleitoral do governo Bolsonaro

A primeira-dama apareceu ao lado da ministra dos Direitos Humanos e mandou “um abraço especial a todas as mães deste país, quilombolas, indígenas”

www.brasil247.com - Cristiane Rodrigues Brito e Michelle Bolsonaro
Cristiane Rodrigues Brito e Michelle Bolsonaro (Foto: Reprodução)


247 - Jair Bolsonaro pode ter cometido crime eleitoral ao colocar a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV para transmitir uma mensagem de Dia das Mães e aproveitar para anunciar programas de governo para as mulheres, eleitorado em que o pré-candidato à reeleição vai de mal a pior, segundo as pesquisas.

Michelle apareceu ao lado da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Cristiane Rodrigues Brito, e mandou um “um abraço especial a todas as mães deste país, quilombolas, indígenas”, o que parece soar até como deboche depois de tantas agressões do atual governo contra as populações indígenas.

De acordo com o decreto 84.181 de 1979, a rede nacional de rádio e TV só pode ser convocada para pronunciamentos dos chefes dos Três Poderes, ou de ministros de Estado autorizados pelo presidente da República. A lei não autoriza pronunciamento de terceiros, lembrou no Twitter o repórter de Brasília Renato Souza, do portal R7.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No vídeo, Michelle disse que o governo federal tem implementado diversas ações que beneficiam as mães. As mulheres, que chefiam de quatro a cada dez lares brasileiros, estão entre os grupos mais afetados pela crise econômica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro e o eleitorado feminino

Em 2018, a candidatura de Jair Bolsonaro recebeu bem menos apoio do eleitorado feminino do que qualquer outro candidato a presidente. Na disputa à reeleição, o cenário não é diferente. Uma ferramenta de agregação de pesquisas do Portal Jota aponta que as mulheres, que representam 53% do eleitorado e proporcionalmente votam mais que os homens, apoiam menos o atual governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo números divulgados em março, 20% das mulheres avaliam o trabalho de Bolsonaro como positivo, atribuindo conceitos de ótimo ou bom nas pesquisas, contra 31% no público masculino. A diferença entre os dois grupos é, portanto, de 10 pontos percentuais. 

Considerando o intervalo de credibilidade de 95% calculado pelo modelo, a parcela de mulheres que aprovam o trabalho do mandatário está entre 19% e 22%. Já a parcela de homens que também aprovam o governo está entre 29% e 33%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email