Brasília

Ministério Público protocola ação contra Dirceu

Órgão pede ao presidente do STF, Joaquim Barbosa, quebra de sigilo telefônico contra o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado na AP 470, por suposto uso de telefone celular no complexo penitenciário da Papuda; autoridades do DF negam denúncia; em contrapartida, governo de Agnelo Queiroz exonerou o chefe do núcleo de inteligência do presídio, Valter José Faé Júnior, após supostas irregularidades cometidas pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) e pelo ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas, durante o horário de trabalho fora da prisão

Órgão pede ao presidente do STF, Joaquim Barbosa, quebra de sigilo telefônico contra o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado na AP 470, por suposto uso de telefone celular no complexo penitenciário da Papuda; autoridades do DF negam denúncia; em contrapartida, governo de Agnelo Queiroz exonerou o chefe do núcleo de inteligência do presídio, Valter José Faé Júnior, após supostas irregularidades cometidas pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) e pelo ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas, durante o horário de trabalho fora da prisão (Foto: Roberta Namour)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O Ministério Público do Distrito Federal protocolou nesta quinta-feira ação cautelar no Supremo Tribunal Federal (STF) que envolve quebra de sigilo telefônico contra o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Condenado na AP 470, o ex-ministro é suspeito de ter usado um telefone celular no complexo penitenciário da Papuda.

O pedido deverá ser analisado pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, relator do processo.

Tanto o ex-ministro quanto autoridades do Distrito Federal negam que ele tenha usado o celular.

A denúncia publicada na imprensa tem atrasado a liberação do direito de trabalho de Dirceu, condenado no regime semiaberto e mantido no fechado desde novembro do ano passado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Barbosa deu prazo de 48 horas para que o Distrito Federal envie ao tribunal informações sobre as supostas regalias concedidas aos condenados no processo do chamado “mensalão”.

Há dois dias, o governo de Agnelo Queiroz exonerou o chefe do núcleo de inteligência do presídio, Valter José Faé Júnior, após denúncias de supostas irregularidades cometidas pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) e pelo ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas. Valdemar teria mantido contatos políticos durante o horário de trabalho fora da prisão, passado no McDonald’s e feito consulta médica.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO