Moraes inclui período eleitoral de 2018 em quebra de sigilo de Hang e empresários bolsonaristas

Bolsonaro está sendo investigado no TSE em duas tramitações que apuram a divulgação massiva de fake news para elegê-lo em 2018. Luciano Hang, que teve sigilo bancário e fiscal quebrado, também é alvo da ação no TSE

Dono da Havan, Luciano Hang, com Jair Bolsonaro
Dono da Havan, Luciano Hang, com Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), incluiu parte do período da campanha eleitoral de 2018 ao determinar a quebra dos sigilos bancário e fiscal de empresários suspeitos de financiar uma rede de fake news, como os donos da Havan, Luciano Hang, e da Smart Fit, Edgard Corona.

A decisão do ministro se refere a dados financeiros do período de julho de 2018 a abril de 2020.

Ele é responsável pelo inquérito do Supremo que apura ataques e fake news contra a Corte, aberto em 2019 pelo presidente do STF, Dias Toffoli. No âmbito do inquérito, a Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta quarta-feira, 29 mandados de busca e apreensão. As ordens judiciais estão sendo cumpridas no Distrito Federal, em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Paraná,  em Santa Catarina e no Mato Grosso.

Existem duas tramitação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apuram um esquema de disseminação de mentiras durante a disputa presidencial a favor de Jair Bolsonaro. Os autores dos processos pedem a cassação da chapa Bolsonaro - Hamilton Mourão.

O empresário Luciano Hang foi acusado de divulgar massivamente mentiras para atacar o candidato do PT, Fernando Haddad.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247