Após quase dois anos de pandemia, Ministério da Saúde diz que cloroquina é eficaz e vacinas, não

Nota técnica é assinada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Helio Angotti, uma liderança da ala negacionista do governo

www.brasil247.com - Vacinação contra Covid-19 em criança
Vacinação contra Covid-19 em criança (Foto: GovSP)


247 - O Ministério da Saúde divulgou nessa sexta-feira (21) uma nota técnica com uma lista de justificativas para vetar um parecer que rejeita o uso do chamado kit Covid, que considera medicamentos como a hidroxicloroquina - rejeitada mundialmente por estudos científicos para tratar a doença.

Em um trecho do documento, a pasta comandada por Marcelo Queiroga afirma que há efetividade e segurança no uso da substância no tratamento contra a Covid-19.

Em contrapartida, no mesmo trecho, a nota pontua que não existe efetividade e segurança no uso de vacinas contra a Covid-19. O Ministério da Saúde aponta que não há demonstração de efetividade da vacina "em estudos controlados e randomizados" nem de segurança "em estudos experimentais e observacionais adequados".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, dados do próprio Ministério da Saúde apontam que o número de mortes, casos e hospitalizações por Covid teve queda drástica após o início da campanha de vacinação no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A manifestação antivacina foi feita em uma tabela dentro do documento assinado pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Helio Angotti, uma liderança da ala negacionista do governo.

A diretora da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Meiruze de Freitas reagiu à nota e afirmou à Folha que "todas as vacinas autorizadas no Brasil passaram pelos requisitos técnicos mais elevados no campo dos estudos clínicos randomizados (fase I, II e III) e da regulação sanitária".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Não é esperado e admissível que a ciência, tecnologia e inovação no Brasil estejam na contramão do mundo", afirmou a diretora. "É preciso que todos estejam unidos na mesma direção, ou seja, salvar vidas", completou.

Médicos e médicas cearenses do Coletivo Rebento manifestaram repúdio e alertam a sociedade quanto à insistência do governo federal em impor, como política pública, o uso de medicamentos sem eficácia contra a Covid-19.

"Mesmo com quase dois anos de pandemia e com inúmeras pesquisas que já demonstraram a total ineficácia e os riscos de uso de hidroxicloroquina para pacientes portadores de Covid-19 ou como falsa "medida profilática', o Governo Federal insiste no tema", diz trecho do comunicado. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Indiferente à explosão de casos de Covid-19 e de Influenza no País, além da projeções de instituições renomadas que já avaliam risco de retornarmos, em fevereiro, a um patamar diário de 800 a 1.200 óbitos por Covid-19, coma altíssima transmissibilidade da variante Ômicron, o governo voltou a incluir o uso da hidroxicloroquina na "Fundamentação e Decisão Acerca das Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento Farmacológico da Covid-19", por meio da Nota Técnica Nº 2/2022, da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde - SCTIE/MS, ressaltam ainda.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email