Novo ministro da Educação já tentou barrar investigação

O novo ministro da Educação, Renato Feder, já tentou barrar uma investigação da Receita Federal contra a sua empresa, a Multilaser. Segundo a Procuradoria da República de Pouso Alegre (MG), mercadorias importadas pela empresa não possuíam notas fiscais idôneas

Renato Feder
Renato Feder (Foto: Rodrigo Félix Leal/ANPr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O novo ministro da Educação, Renato Feder, já tentou barrar uma investigação da Receita Federal contra a sua empresa, a Multilaser. Ele e seus sócios recorreram ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2014 para a suspensão de um inquérito aberto pela delegacia de Pouso Alegre (MG), a pedido da Procuradoria da República no município. A informação foi publicada pela coluna de Lauro Jardim

Na época, a procuradoria alegou indícios do crime de descaminho porque mercadorias importadas pela empresa não possuíam notas fiscais idôneas. O Judiciário também apontou inconsistência entre a quantidade de mercadorias constantes da nota fiscal e a sua via física.

Os próprios sócios da empresa desistiram do pedido após o inquérito ser arquivado pela Receita.

Feder foi anunciado como novo ministro da Educação, após Carlos Alberto Decotelli da Silva ser demitido antes de tomar posse em decorrência de fraudes no currículo. 

No último dia 29 foi revelado que ele não estudou por dois anos na  Universidade de Wüppertal, na Alemanha, como divulgado pelo MEC. 

O reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, Franco Bartolacci, negou que Decotelli da Silva tenha doutorado na instituição.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247