OAB pede ao STF que anule escutas de advogados de Lula

 O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou nesta sexta (8) no Supremo Tribunal Federal com pedido de anulação das escutas telefônicas autorizadas pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato, que alcançaram advogados do escritório responsável pela defesa do ex-presidente Lula; a OAB pede uma liminar para que o material, envolvendo ligações dos advogados Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, seja guardado em sigilo devido à "ofensa à prerrogativa profissional dos advogados de inviolabilidade de suas comunicações relativas ao exercício da advocacia"

 O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou nesta sexta (8) no Supremo Tribunal Federal com pedido de anulação das escutas telefônicas autorizadas pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato, que alcançaram advogados do escritório responsável pela defesa do ex-presidente Lula; a OAB pede uma liminar para que o material, envolvendo ligações dos advogados Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, seja guardado em sigilo devido à "ofensa à prerrogativa profissional dos advogados de inviolabilidade de suas comunicações relativas ao exercício da advocacia"
 O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou nesta sexta (8) no Supremo Tribunal Federal com pedido de anulação das escutas telefônicas autorizadas pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato, que alcançaram advogados do escritório responsável pela defesa do ex-presidente Lula; a OAB pede uma liminar para que o material, envolvendo ligações dos advogados Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, seja guardado em sigilo devido à "ofensa à prerrogativa profissional dos advogados de inviolabilidade de suas comunicações relativas ao exercício da advocacia" (Foto: Valter Lima)

247 - O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou nesta sexta-feira (8) no Supremo Tribunal Federal (STF) com pedido de anulação das escutas telefônicas autorizadas pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato, que alcançaram advogados do escritório responsável pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O pedido foi direcionado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo.

A OAB pede uma liminar para que o material, envolvendo ligações dos advogados Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, seja guardado em sigilo devido à "ofensa à prerrogativa profissional dos advogados de inviolabilidade de suas comunicações relativas ao exercício da advocacia".

A entidade quer que as escutas sejam retiradas do processo e inutilizadas.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247