Oficiais médicos da FAB são coagidos a receitar kit cloroquina em hospital do DF

Diretor de saúde da Aeronáutica emitiu um comunicado instruindo que seja receitado aos doentes de Covid-19 um “kit cloroquina”. Médicos denunciam coação para a prescrição e represálias contra os que não prescrevem

Cloroquina e o Exército brasileiro
Cloroquina e o Exército brasileiro (Foto: Reuters | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Metrópoles - Médicos do Hospital da Força Aérea Brasileira (HFAB) denunciaram pressão, coação e represálias para que a hidroxocloroquina seja receitada a pacientes com Covid-19 na unidade de saúde da Aeronáutica instalada no Lago Sul.

Segundo profissionais denunciaram ao Metrópoles, o diretor de saúde da Aeronáutica emitiu um comunicado instruindo que seja receitado aos contaminados um “kit cloroquina”. O medicamento, comprado pelo Governo Federal, vem em saquinhos, em doses certas para o tratamento de cinco dias.

A Nota Informativa nº 17/2020, assinada pelo diretor, coloca como opção do paciente o uso do medicamento. Porém, os médicos relataram à reportagem que todas as recusas em usar o remédio foram punidas com retaliações como transferências e mudanças de horário.

A circular (veja na galeria) determina que o “kit” tenha Sulfato de Hidroxicloroquina 400 mg comprimido. No entanto, os médicos acreditam que o medicamento não tem comprovação científica. Por isso, aqueles que se recusaram a fazer a prescrição horizontal foram punidos.

“A ordem é passar para todos os pacientes que solicitarem. Porém, quem não passa sofre retaliação. Mudam de horário, são retirados da triagem de Covid. A pressão está grande”, disse um dos médicos ao Metrópoles.

“Nem sei expressar o tamanho da humilhação”, diz outro profissional que atua na linha de frente da Covid-19 no HFAB.

O outro lado

Por meio de nota, o Ministério da Defesa (MD) e a Força Aérea Brasileira (FAB) disseram que “todos os hospitais militares têm realizado esforços no combate ao coronavírus desde que foram reportados os primeiros casos no Brasil. Dessa forma, a readequação de funções e horários de atividades foram implementados de forma a minimizar os impactos da intensificação de atendimentos desde o início da pandemia”, diz o documento.

Além disso, na nota conjunta, o MD e a FAB negaram “punição ou retaliação às decisões tomadas pelos médicos no que diz respeito à prescrição ou não da citada medicação (cloroquina). “A escolha da prescrição de medicamento é inerente à atividade do médico assistente e ocorre mediante o consentimento livre e esclarecido, sendo o paciente monitorado continuamente durante o tratamento. O MD reitera que não indica medicamentos ou interfere na adoção de condutas por parte dos profissionais de saúde”, reiteraram.

Além disso, o ministério e a FAB informaram seguir as diretrizes do Ministério da Saúde (MS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) quanto à prevenção, à testagem e às respostas médicas relacionadas à Covid-19. “Os pacientes com suspeita de exposição ao novo coronavírus ou com quaisquer sinais da doença, por mais leves que sejam, são direcionados ao isolamento e

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email