Pau quebra na Câmara na sessão do impeachment

Manobra do presidente da Câmara e de seus aliados no golpe avacalha de vez o parlamento; decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de impor votação secreta para definir os integrantes da comissão de impeachment e de não permitir questões de ordem termina em cenas de briga de rua no plenário da Casa; urnas foram quebradas; circo criado por Cunha terminará no STF; o PCdoB entrou com duas ações contra a votação secreta e contra a criação de uma segunda chapa; segundo a líder do partido, deputada Jandira Feghali (RJ), isso é ilegal; governistas gritam "não vai ter golpe", e oposicionistas rebatem: "vai ter impeachment"; Cunha, que tenta solapar a democracia, já conseguiu destruir a Câmara em sua breve gestão

Manobra do presidente da Câmara e de seus aliados no golpe avacalha de vez o parlamento; decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de impor votação secreta para definir os integrantes da comissão de impeachment e de não permitir questões de ordem termina em cenas de briga de rua no plenário da Casa; urnas foram quebradas; circo criado por Cunha terminará no STF; o PCdoB entrou com duas ações contra a votação secreta e contra a criação de uma segunda chapa; segundo a líder do partido, deputada Jandira Feghali (RJ), isso é ilegal; governistas gritam "não vai ter golpe", e oposicionistas rebatem: "vai ter impeachment"; Cunha, que tenta solapar a democracia, já conseguiu destruir a Câmara em sua breve gestão
Manobra do presidente da Câmara e de seus aliados no golpe avacalha de vez o parlamento; decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de impor votação secreta para definir os integrantes da comissão de impeachment e de não permitir questões de ordem termina em cenas de briga de rua no plenário da Casa; urnas foram quebradas; circo criado por Cunha terminará no STF; o PCdoB entrou com duas ações contra a votação secreta e contra a criação de uma segunda chapa; segundo a líder do partido, deputada Jandira Feghali (RJ), isso é ilegal; governistas gritam "não vai ter golpe", e oposicionistas rebatem: "vai ter impeachment"; Cunha, que tenta solapar a democracia, já conseguiu destruir a Câmara em sua breve gestão (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de impor votação secreta na sessão que escolherá os integrantes da comissão de impeachment na Casa e de não permitir questões de ordem terminou em empurra-empurra, tumulto e cenas de briga de rua no plenário da Casa.

Urnas chegaram a ser quebradas. Parlamentares petistas ficaram em frente a algumas delas, anunciando que iriam obstruir a votação. O presidente da Câmara abriu a votação, de forma secreta, às 17h18, depois de fazer a leitura dos integrantes das chapas e anunciar como seria o procedimento.

Rebatendo às criticas sobre a votação secreta, Cunha disse que ela será feita de acordo com o Regimento Interno, que prevê, no artigo 188, a possibilidade de votação secreta. A líder do PCdoB, deputada Jandira Feghali (RJ), disse que a existência de uma segunda chapa é ilegal. Segundo o presidente da Câmara, "toda eleição pressupõe disputa; portanto, não se pode contestar a formação de chapas alternativas".

A afirmação também foi uma resposta às duas ações impetradas pelo PCdoB no STF para tentar impedir a votação secreta da comissão especial que irá analisar o pedido de impeachment contra a presidente da República e contra a formalização da chapa alternativa proposta por deputados que fazem oposição ao governo.

Durante a votação, deputados contra o impeachment gritavam "não vai ter golpe". Do outro lado, os oposicionistas rebatiam: "vai ter impeachment". Alguns parlamentares levantavam o boneco do ex-presidente Lula vestido de presidiário.

Eduardo Cunha, que tenta solapar a democracia, já conseguiu destruir a Câmara em sua breve gestão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247