PF indicia Anderson Torres por criação e posse ilegal de aves silvestres

Torres é acusado de maus-tratos, falsificação de selos, falsidade ideológica e posse irregular de animais

Anderson Torres
Anderson Torres (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Polícia Federal (PF) concluiu o inquérito que investigava o ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PL) e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, indiciando-o por diversos crimes relacionados à criação e posse ilegal de aves silvestres. Torres é acusado de maus-tratos, falsificação de selos, falsidade ideológica e posse irregular de animais, informa o Metrópoles.

A operação que resultou no indiciamento ocorreu em fevereiro deste ano, quando agentes da PF encontraram 55 pássaros em sua residência, em Brasília. A ação foi desencadeada a partir de irregularidades identificadas no Sistema de Controle e Monitoramento da Atividade de Criação Amadora de Pássaros, durante a Operação Gênesis. Dentre as espécies apreendidas estavam 45 bicudos, quatro curiós, três canários-da-terra, dois tiê-sangue e um azulão. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) foram acionados para a apreensão dos animais.

continua após o anúncio

O ex-ministro foi autuado em R$ 52,5 mil por prestar informação falsa no sistema de controle e em R$ 2 mil por mutilar um pássaro da espécie bicudo. O pedido de indiciamento formalizou quatro acusações contra Torres: falsidade ideológica, posse irregular de animais silvestres, falsificação de selo ou sinal público, e maus-tratos contra animais.

A PF sustenta que Anderson Torres teria transferido reservatórios de pássaros de órgãos ambientais para o nome de sua mãe, configurando o crime de falsidade ideológica. As penas previstas para os crimes vão desde detenção de seis meses a cinco anos, além de multas.

continua após o anúncio

Em resposta ao indiciamento, a defesa do ex-ministro expressou surpresa e afirmou que Anderson Torres sempre foi um criador reconhecido pelo cuidado técnico e amor aos pássaros sob sua responsabilidade. A defesa questionou ainda a competência para julgar o caso, aguardando a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), marcada para a próxima semana.

O advogado de Anderson Torres, Eumar Novacki, criticou o fato de que o indiciamento ocorreu sem que Torres e sua mãe fossem ouvidos, classificando o processo como "açodado". Novacki ressaltou que a investigação foi encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF), apesar de parecer prévio indicar que a competência seria da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247