Polícia quer enquadrar Thiago Ávila e três ativistas por associação criminosa, por resistirem ao despejo de famílias

Além dos quatro militantes presos, duas pessoas ficaram feridas durante a ação da PM na ocupação CCBB, em Brasília. Uma militante e um morador da ocupação foram atingidos por uma bomba de efeito moral disparada pelos policiais. Advogada relata que situação é difícil e famílias despejadas precisam de doações

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato e 247 - A Polícia Militar do Distrito Federal destruiu nesta quarta-feira (7), em Brasília, a Escolinha do Cerrado, espaço criado por voluntários durante a pandemia para garantir o acesso à educação a 20 crianças que viviam em uma ocupação no mesmo local, nas imediações do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB).

Durante a ação de despejo das famílias, quatro pessoas foram presas: o ativista e ecossocialista Thiago Ávila, e os militantes Caio Sad Barbosa, Pedro Filipe Menezes Piedade e Érika Oliveira Cardozo. Os três homens estão no 5º DP, enquanto a militante está detida na Delegacia de Combate à ocupação do Uso do Solo (Dema), na capital federal. 

Duas pessoas ficaram feridas durante a ação da PM. Uma militante e um morador da ocupação foram atingidos por uma bomba de efeito moral disparada pelos policiais.

O ação desta quarta foi o fim de um serviço que teve início na segunda-feira (5), quando 38 famílias que viviam na área foram despejadas e tiveram suas casas destruídas.

Segundo a advogada Sara Rocha, a Polícia Civil está avaliando enquadrar os ativistas presos no crime de associação criminosa, além de obstrução de ação fiscalizadora e lei de crimes ambientais. 

"A situação é muito grave. A ajuda de todo mundo é necessária. Quem puder ajudar com doações, as pessoas precisam de comida, de barraca. Hoje vai chover e elas não têm teto para morar", afirmou a advogada. 

Assista:


Assista ao momento em que o ativista Thiago Ávila é preso pela PM: 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email