Prisão do DF denunciada por tortura a Rodrigo Pilha é vista como local em que maus tratos a detentos são "práticas corriqueiras"

Famílias denunciam que a tortura é uma “prática corriqueira” no CDP (Centro de Detenção Provisória) II de Brasília

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A vítima mais conhecida das supostas agressões no CDP (Centro de Detenção Provisória) II de Brasília é o militante do PT Rodrigo Grassi Cademartori, o Rodrigo Pilha, 43 anos. 

Segundo a família do ativista, Rodrigo e outros presos teriam sido atacados por policiais penais com chutes e pontapés e obrigados a dormir no chão. Mas não é o único caso.

“Pilha merece toda a atenção, e por esse viés político ele ganhará mídia e essa situação será averiguada, mas será muito injusto se o caso dele for tratado como isolado, sendo que essas práticas são corriqueiras”, afirma a irmã de Jonathan (nome trocado a pedido da família), preso de 32 anos que é soropositivo e que, segundo ela, teria sido agredido na unidade e ficado sem remédios no mesmo presídio, em janeiro. Após uma representação da defesa do jovem ao Ministério Público do DF, Jonathan recebeu os antirretrovirais, mas acabou infectado com Covid-19, quando já estava no presídio da Papuda, informa o Ponte Jornalismo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email