Protesto na Esplanada termina sem ocorrências policiais

As forças de segurança pública do Distrito Federal não registraram ocorrências criminais nem atendimentos de urgência relacionados à manifestação popular ocorrida na Esplanada dos Ministérios na manhã deste domingo (4); o protesto a favor da operação Lava-Jato reuniu, de acordo com estimativa da Polícia Militar do DF, cerca de 5 mil pessoas; a manifestação foi contra o projeto que prevê punição a juízes

As forças de segurança pública do Distrito Federal não registraram ocorrências criminais nem atendimentos de urgência relacionados à manifestação popular ocorrida na Esplanada dos Ministérios na manhã deste domingo (4); o protesto a favor da operação Lava-Jato reuniu, de acordo com estimativa da Polícia Militar do DF, cerca de 5 mil pessoas; a manifestação foi contra o projeto que prevê punição a juízes
As forças de segurança pública do Distrito Federal não registraram ocorrências criminais nem atendimentos de urgência relacionados à manifestação popular ocorrida na Esplanada dos Ministérios na manhã deste domingo (4); o protesto a favor da operação Lava-Jato reuniu, de acordo com estimativa da Polícia Militar do DF, cerca de 5 mil pessoas; a manifestação foi contra o projeto que prevê punição a juízes (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com AGÊNCIA BRASÍLIA - As forças de segurança pública do Distrito Federal não registraram ocorrências criminais nem atendimentos de urgência relacionados à manifestação popular ocorrida na Esplanada dos Ministérios na manhã deste domingo (4). O protesto a favor da operação Lava-Jato reuniu, de acordo com estimativa da Polícia Militar do DF, cerca de 5 mil pessoas. Dois movimentos — Brasil Livre e Vem pra Rua — tinham credenciamento da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social para ocupar o gramado central, sem acesso à área restrita no entorno do Congresso Nacional.

O ato começou por volta das 10 horas e foi encerrado pela organização às 12h15, quando o público já se dispersava. Ao longo da manhã, policiais militares fizeram revistas pessoais em diversos pontos, e alguns pedaços de madeira que sustentavam faixas foram recolhidos. A ação integrada envolveu 1,7 mil profissionais de segurança, entre policiais civis e militares, bombeiros e agentes de trânsito.

O protesto foi contra o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados que prevê punição a juízes, a promotores e a procuradores que cometerem crime de abuso de autoridade. A proposta foi muito criticada pelo principal procurador da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol. Veja o vídeo:

 

Monitoramento por vídeo pelo centro integrado de controle

A Esplanada foi monitorada em tempo real pelas câmeras do Centro Integrado de Comando e Controle Regional, que fica na sede da secretaria, onde órgãos locais e federais formaram uma força-tarefa.

“O esquema de segurança de hoje mostrou, mais uma vez, que a capital segue a tradição de ser uma cidade ordeira e que estamos preparados para dar uma resposta em tempo real, sempre procurando preservar a vida das pessoas. Das 143 manifestações neste ano, apenas a de terça-feira (29) não foi pacífica”, avaliou a secretária da Segurança Pública, Márcia de Alencar.

Com a dispersão total do público, as vias N1 e S1 – que estavam fechadas entre a Rodoviária do Plano Piloto e o balão do Presidente, na L4 Sul – foram liberadas para o trânsito de veículos no início da tarde.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247